Delegado é exonerado após fuga de presos em Niterói

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 19 de fevereiro de 2003 as 23:48, por: cdb

Dois homens armados com pistolas conseguiram resgatar na madrugada desta quarta-feira 25 presos da carceragem da 76ª Delegacia de Polícia, em Niterói (a 15 km do Rio).

Na hora do resgate, apenas três policiais tomavam conta dos 387 presos que estavam na unidade. A dupla rendeu dois carcereiros por volta das 2h, roubou as chaves de uma das celas e libertou os presos, que fugiram pela saída lateral da delegacia.

O secretário estadual de Segurança Pública, coronel Josias Quintal, exonerou o titular da 76ª DP, delegado Elir Clarindo. “Essa fuga foi como tirar bala de criança”, disse.

Além da exoneração, Clarindo responderá a sindicância administrativa por suposta conivência com a ação.

Ao perceber a aproximação dos homens armados, um policial que estava de plantão deu tiros para o alto, dando tempo de a PM (Polícia Militar) cercar a delegacia e evitar uma fuga em massa. A 76ª DP fica a apenas cem metros da Prefeitura de Niterói e a dois quilômetros do 12ª Batalhão da PM.

Entre os resgatados está o traficante Anderson de Oliveira Sant’Anna, 20, o Anderson Negão, que, no ano passado, foi flagrado por interceptações telefônicas negociando a compra de armas e pagamento de propinas com PMs do 12º Batalhão (Niterói).

As investigações levaram à prisão de 19 policiais. Negão, que integra a facção criminosa TC (Terceiro Comando), é chefe do tráfico na favela Vila Ipiranga (Fonseca, Niterói) e fora preso no dia 10 de dezembro. Ele é aliado de Paulo César Silva dos Santos, o Linho, traficante mais procurado pela polícia fluminense.

Até o final da tarde, nove fugitivos tinham sido recapturados. Todos eles estavam escondidos em uma quadra de esportes de um condomínio residencial próximo.

Após a fuga, os policiais iniciaram uma busca pelas ruas do centro de Niterói e em favelas do município para tentar recapturar Anderson Negão. A polícia também realizou incursões no morro do Adeus (Bonsucesso, zona norte) para procurar Negão, mas nada encontrou.

A carceragem da 76ª DP é uma das que ainda não foram beneficiadas pelo programa Delegacia Legal, que informatiza as unidades e elimina suas carceragens. Antes da fuga, ela abrigava 387 presos, embora só comporte 200.

Em todo o Estado, a Polícia Civil custodia 6.395 presos, mas suas carceragens só têm capacidade para receber 2.500 detentos.