Decretada prisão preventiva dos acusados pela morte de juiz no ES

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de maio de 2003 as 17:56, por: cdb

A justiça decretou a prisão preventiva de seis dos sete indiciados no assassinato do juiz Alexandre Martins de Castro Filho, ocorrido em Vila Velha, Espírito Santo. O juiz Carlos Eduardo Ribeiro Lemos, que está atuando na 4ª Vara Criminal de Vila Velha, transformou em prisão preventiva a detenção dos sargentos da Polícia Militar capixaba Héber Venâncio e Ranilson Alves da Silva, suspeitos da intermediação no crime.

Já a juíza substituta da 4ª Vara Criminal de Vila Velha Carmem Lúcia Corrêa acatou a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE) contra os executores do assassinato e manteve a prisão preventiva de outros quatro envolvidos.

O último réu, acusado de co-autoria, Fernando Oliveira Reis, o “Cabeção”, já está preso, depois de um flagrante com dois quilos de cocaína.

Os dois sargentos da PM são suspeitos de terem intermediado o crime, devido às suas ligações com o coronel Walter Gomes Ferreira, preso no Acre sob acusação de ser o braço armado do crime organizado no Espírito Santo. Ambos tinham prisão temporária decretada.

Já o decreto da juíza da 4ª Vara atingiu Odessi Martins de Castro Filho, o “Lumbrigão”, que pilotava a moto e fez os dois últimos disparos contra o juiz; Gilliarde Ferreira de Souza, o “Gi”, carona da moto e que deu os primeiros tiros; André Luiz Tavares, o “Yoxito”, que emprestou a moto para o crime; e Leandro Celestino Tavares, o “Pardal”, que vendeu a arma para “Gi”. Todos deverão ser interrogados no Fórum de Vila Velha, na próxima quarta-feira.