Debatedor quer formação de profissionais para lidar com crianças agredidas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 27 de setembro de 2011 as 14:33, por: cdb

O coordenador da Comissão de Atenção Integral da Saúde da Criança, do Adolescente e do Jovem do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Clóvis Adalberto Puofleur, defendeu há pouco uma melhor formação dos profissionais de saúde para tratar com realidade de crianças submetidas a maus-tratos.

Ele ressaltou que é no Sistema Único de Saúde (SUS) que a maioria dessas vítimas é atendida e há, atualmente, uma “epidemia silenciosa”, uma vez que os casos de violência contra crianças e adolescentes não são notificados adequadamente. Conforme Clóvis, os profissionais de saúde poderiam contribuir na redução das agressões se relatassem para as autoridades competentes os pacientes atendidos nessa situação.

O representante do CNS chamou a atenção para a responsabilidade da família e da sociedade na educação de meninas e meninos e citou uma frase da fundadora (já falecida) da Pastoral da Criança, Zilda Arns: “Quem bate para ensinar está ensinando a bater.”

Educação
Para a conselheira do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), Maria de Lourdes Magalhães, além dos profissionais de saúde, os trabalhadores da educação também podem contribuir para uma notificação mais precisa dos dados de violência contra crianças e adolescentes.

Ela citou dados do Ministério de Saúde de 2006, segundo os quais a esmagadora maioria dos casos de agressões (sexuais, psicológicas e físicas) sofridas pelos filhos ocorre dentro de suas próprias residências.

Vínculos familiares
Por sua vez, o presidente do Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS), Carlos Eduardo Ferrari, informou que a entidade pretende fazer um amplo debate com a sociedade sobre o tema, focando principalmente na construção de vínculos familiares por meio de políticas públicas.

Os debatedores participam de audiência pública promovida pela Comissão Especial sobre a Prática de Castigos Corporais. A reunião prossegue no Plenário 16.

Continue acompanhando esta cobertura.

Tempo real:16:53 – Juiz questiona eficácia de proibição de castigos corporais contra crianças15:52 – Comissão deve votar em dezembro proibição de castigos físicos em crianças12:49 – Audiência debate problema dos castigos corporais na educaçãoÍntegra da proposta:PL-7672/2010Reportagem – José Carlos Oliveira/Rádio Câmara
Edição – Marcelo Oliveira