CUT pede mais tempo para avaliar reformas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 28 de abril de 2003 as 10:21, por: cdb

A CUT-SP (Central Única dos Trabalhadores) aprovou um pedido ao governo para que não apresente a proposta da reforma da Previdência para o Congresso na próxima quarta-feira. A central sindical quer mais tempo para avaliar os vários pontos divergentes da proposta, entre eles o teto da aposentadoria e a cobrança dos inativos.
No plano, estão previstas também caravanas a Brasília a partir desta segunda-feira

O texto foi concluído durante o 10º Congresso da CUT-SP, realizado anteontem em São Pedro (198 km de São Paulo), em que foi eleito o novo presidente estadual da entidade, o químico Edilson de Paula Oliveira, 39, ex-presidente da Confederação Nacional dos Químicos de São Paulo.

Oliveira diz acreditar que “o que governo falou até agora sobre a reforma da Previdência não passa de ensaio”. Ele acha que o governo só vai apresentar o texto integral da reforma após discutir com os trabalhadores. “Lula deixou claro que não ia tomar uma posição sem voltar a conversar com as centrais [sindicais].”

Segundo Oliveira, esse 1º de Maio vai ter “um perfil mais propositivo que de protesto, já que hoje nós temos, no governo federal, uma política de diálogo com a sociedade. Isso não quer dizer que nós somos governo, nós temos responsabilidades por esse governo, mas nós só o apoiaremos no que acharmos positivo para nós”.

Ele defende também que não haja pressão sobre o governo no início do mandato e que os trabalhadores não adotem já uma postura crítica. “Não dá para chegar e mudar tudo de uma vez. Um choque, como muitos defendem, poderia fazer do Brasil uma nova Argentina”, disse Oliveira.

O presidente eleito defende que o sindicato tenha posturas diferenciadas diante dos governos de Geraldo Alckmin (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva, isso porque Lula teria crédito pelo seu passado e pelo fato de estar propondo diálogo com a sociedade.

Segundo ele, o governo Alckmin não dialoga com os trabalhadores. “A partir de agora, nós vamos cobrar uma audiência com o governador para abrir um diálogo, porque isso nunca ocorreu nesse governo”, afirmou.

A principal reivindicação em relação ao governo estadual é que também sejam iniciadas as reformas no Estado.