Cunha é alvo de protestos de sindicalistas em Campo Grande

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 24 de abril de 2015 as 10:51, por: cdb
Cunha
Cunha foi alvo de sindicalistas que protestam contra o PL 43330, em Campo Grande, MS

Sindicalistas da Central Única dos Trabalhadores (CUT) protestaram, nesta sexta-feira, contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no bairro Amambaí, ao lado da Casa da Indústria, em Campo Grande. Os manifestantes protestaram contra o projeto que regulamenta a terceirização e que foi provado nesta semana pela Câmara dos Deputados. O peemedebista participa neste momento do programa Câmara Itinerante ao lado de outros parlamentares.

Ainda durante a sessão desta sexta, o presidente da Federação da Indústria do Estado de Mato Grosso do Sul (Fiems), Sérgio Longen, manifestou há pouco sua preocupação com propostas em tramitação ou aprovadas pelo Congresso Nacional que podem prejudicar a economia brasileira. Entre as propostas, ele citou o Projeto de Lei 863/15, do Executivo, que reduz o benefício fiscal de desoneração da folha de pagamentos concedido a 56 segmentos econômicos para diminuir o custo com mão de obra e aquecer a economia.

Na avaliação de Longen, o projeto causará desemprego.

– Caso seja aprovado, apenas em Mato Grosso do Sul gerará impacto de R$ 1,2 bilhão ao ano, o que provocará um grande número de demissões”, alertou o presidente da Fiems, lembrando que a taxa de desemprego no ano passado era de 5,6% e já subiu para 7,9% neste ano. “Possivelmente, chegaremos até o fim do ano com dois dígitos não só no desemprego, mas também na inflação – disse Longen.

“Fora, Cunha” em João Pessoa

No dia 10 de abril, Cunha foi alvo de manifestação durante uma sessão da Câmara Itinerante.Membros de movimentos sociais e sindicalistas promoveram um “apitaço” contra a homofobia e o projeto de lei que regulamenta a terceirização no país (PL4330). Assim como em outros protestos, os manifestantes gritavam “Fora, Cunha”.

O deputado federal Wilson Filho (PTB-PB), por exemplo, lamentou que o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, tenha deixado a sessão na assembleia estadual sem poder anunciar que pautaria a proposta que cria a zona franca do Semiárido Nordestino (Proposta de Emenda à Constituição 19/11), de autoria do próprio Wilson Filho.

– É um projeto que vai mudar radicalmente a economia do estado. Hoje o presidente da Câmara saiu daqui sem dar essa palavra. Fico triste porque perdemos uma oportunidade como a de hoje. Vocês têm o direito de falar, mas não da forma que estão fazendo – disse, ao criticar as manifestações.

Já foram realizadas quatro edições: em Curitiba (PR), em São Paulo (SP), em João Pessoa (PB) e em Natal (RN). Foram discutidos, entre outros temas, a reforma política e o pacto federativo.