Cuba é varrida por furacão e ventos acima de 200 Km/h

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 5 de novembro de 2001 as 20:13, por: cdb

O furacão Michelle atingiu Cuba com ventos de mais de 200 quilômetros por hora, causando muita destruição e enchentes no país. O Michelle é o furacão mais forte a passar pela ilha nos últimos 50 anos.

Autoridades cubanas retiraram quase 500 mil moradores das áreas mais baixas da ilha. Turistas foram retirados de resorts. E acampamentos de estudantes na península de Zapata, ao sul de Cuba, também foram evacuados.

Todos os vôos internacionais e nacionais foram cancelados e o transporte público está suspenso.

A eletricidade na capital, Havana, foi cortada para evitar acidentes com a queda de cabos elétricos.

Força

A força do furacão está diminuindo – passou de quatro para três em uma escala que vai de um a cinco. O Michelle está indo em direção às montanhas no centro de Cuba.

Segundo informações vindas de Cuba, grandes áreas de cultivo foram devastadas.

Antes de chegar a Cuba, o furacão causou a morte de pelo menos 12 pessoas na América Central, com chuvas fortes, inundações e deslizamentos de terra. Milhares de moradores da costa do Atlântico de Honduras e Nicarágua ficaram sem casa.

Dez pessoas morreram em Honduras. Na costa atlântica da Nicarágua, vilarejos foram atingidos por inundações, com ondas de mais de três metros.

Na Nicarágua, 10 mil pessoas perderam suas casas devido ao furacão.

Estoques

No domingo, os moradores de Havana, em Cuba, começaram a estocar comida, velas e água fervida. Lojas que vendiam alimentos importados dos Estados Unidos ficaram lotadas.

O furacão Michelle deve ir em direção da Flórida, nos Estados Unidos, antes de alcançar as Bahamas.

Na Flórida, o governador Jeb Bush, declarou estado de emergência e os moradores do sul do estado e de Flórida Keys foram aconselhados a deixar suas casas.