Cristovam: investir em estádios e não em educação é ‘corrupção de prioridades’ 

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 29 de agosto de 2011 as 14:54, por: cdb

O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) cobrou nesta segunda-feira (29) mais atenção do governo à área de educação. O senador criticou o desconhecimento, por parte do Ministério da Educação, do número de crianças que estão sem aulas em razão de greves por todo o Brasil e lamentou que o governo priorize áreas como o incentivo à indústria automobilística e a infraestrutura para a eventos esportivos, prática que definiu como “corrupção de prioridades”.

– Quero dar aqui uma sugestão aos professores em greve: vão para a frente de cada estádio da Copa e coloquem uma faixa bem grande: este prédio é um exemplo de corrupção nas prioridades – sugeriu o senador, que considera que o dinheiro está sendo aplicado no benefício dos turistas, em detrimento dos brasileiros.

Cristovam afirmou que apesar de avanços, como o piso nacional para professores, e a merenda escolar, o governo não está “fazendo seu dever de casa” com relação à educação. Para ele, a situação ruim da educação no país é resultado de muitos anos de falta de compromisso, que continua.

– A fatura virá. A fatura chegará mais grave do que ela está sendo apresentada a nós de hoje porque no passado não se fez o dever de casa.

O senador afirmou ter entregue à presidente da República, Dilma Rousseff, um plano para revolucionar a educação brasileira O plano, segundo Cristovam, consiste essencialmente na federalização de todas as escolas do país. O senador lembrou que, na média, as escolas públicas federais estão em melhor situação que as particulares.

– Daqui a algumas décadas, duas, no máximo, todas as escolas do país seriam federais – sugeriu.

Além da federalização das escolas, o plano prevê atividades em horário integral nas escolas e salários de R$ 9 mil para professores, que teriam, no entanto que cumprir horário integral e passar por avaliação anual de desempenho. 

Da Redação / Agência Senado

Comments are closed.