Cristovam diz que país precisa investir mais R$ 25 bi em educação básica

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 9 de setembro de 2003 as 17:27, por: cdb

O ministro da Educação, Cristovam Buarque, afirmou nesta terça-feira, em entrevista à Rádio CBN, que o Brasil precisaria investir mais R$ 25 bilhões ao ano em educação básica.
Ele ainda admitiu que, por causa da falta de recursos do governo federal, são os estados e municípios que investem mais atualmente no ensino de crianças e adolescentes.

— O Brasil vai gastar R$ 54 bilhões na educação básica, e a maior parte desses recursos sai dos estados e municípios. O meu ministério contribui com pouco para a educação básica. O Brasil inteiro precisaria gastar pelo menos mais R$ 25 bilhões por ano, assim passaria de R$ 54 bilhões para praticamente R$ 80 bilhões, o que significaria 7% do PIB (Produto Interno Bruto), que é o que gasta qualquer país que quer dar um salto na educação — afirmou Buarque.

Segundo ele, esse investimento não será possível neste ano nem no próximo, “mas temos de acenar que dentro de alguns anos estaremos gastando mais com educação”.

— Se não fizermos isso, vamos continuar fingindo que educamos — destacou.

De acordo com o ministro, é “fingimento” dizer que as crianças, ao estarem matriculadas nas escolas, estão aprendendo.

— Noventa e cinco por cento estão matriculadas, mas isso não é sinônimo de freqüência. Freqüentando as escolas, é um número muito menor. Um país só pode dizer que tem todas as crianças na escola quando todas terminam o ensino médio — afirmou ele.

Segundo Buarque, o país tem 5,5 milhões de crianças na primeira série do ensino fundamental e só 1,8 milhão na terceira do ensino médio.

— Mais de 3 milhões foram jogados fora — completou.

De acordo com o petista, enquanto o governo não aumentar o valor da bolsa-escola, do programa poupança-escola e não melhorar a educação, aumentando os salários dos professores, o problema não será resolvido.

— Não adianta querer resolver a educação enquanto os professores ganharem uma miséria. Temos de canalizar mais recursos para isso — afirmou.

O ministro lembrou que já é hora de o país implantar um sistema único de educação.

— O Brasil já tem um Sistema Único de Saúde, está discutindo um sistema único de segurança, mas se nega a discutir um sistema único de educação — disse Buarque, acrescentando que “este país não vai ser sério” enquanto a criança depender do local de nascimento para ter uma educação melhor ou pior.

— Se ela nasce num estado que o governador investe em educação, ela tem bom ensino. Se não, não. Isso é uma vergonha, é a negação do Brasil, estamos querendo criar esse sistema, mas a resistência é muito grande — completa.