Crise, mais branda, leva FMI a reduzir estimativa de baixas contábeis

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de setembro de 2009 as 13:57, por: cdb

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu, nesta quarta-feira, sua estimativa das baixas contábeis dos bancos e de outras instituições financeiras, para R$ 3,4 trilhões, mas alertou que as perdas decorrentes de empréstimos devem aumentar, acompanhando o desemprego e a consequente inadimplência. Em abril, o FMI estimava as baixas contábeis em US$ 4 trilhões.

A redução de US$ 600 bilhões reflete os maiores valores dos ativos e uma nova metodologia de cálculo. O FMI disse que apesar de os bancos terem capital suficiente para sobreviver, seus lucros não devem contrabalançar totalmente as baixas contábeis previstas para os próximos 18 meses.

Contração

Outro sinal de que a crise está mais branda está no fato de a economia dos Estados Unidos apresentar uma contração, no segundo trimestre, em um ritmo mais suave do que o anteriormente estimado, com o aumento dos gastos dos consumidores e das empresas ajudando a amortecer o impacto do declínio recorde dos estoques, de acordo com um relatório do governo divulgado nesta quarta-feira.

A estimativa final do Departamento do Comércio mostrou queda de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB) em taxa anualizada, revisando positivamente o dado do mês anterior, que mostrava queda de 1,0%.