Criminosos incendeiam abrigo de refugiados na Alemanha

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 4 de abril de 2015 as 10:05, por: cdb
Investigadores não descartam que autores sejam neonazistas. Cidade onde ocorreu atentado vem ocupando manchetes há semanas, devido a protestos de grupos de extrema direita contra o centro para requerentes de asilo
Investigadores não descartam que autores sejam neonazistas. Cidade onde ocorreu atentado vem ocupando manchetes há semanas, devido a protestos de grupos de extrema direita contra o centro para requerentes de asilo

 

O ministro alemão da Justiça, Heiko Maas, afirmou ser “vergonhoso” o incêndio que destruiu neste sábado parte de um edifício destinado a servir como abrigo para requerentes de asilo na cidade de Tröglitz, no leste da Alemanha. Investigadores afirmaram que um ou mais indivíduos invadiram o abrigo e colocaram fogo no prédio. Promotores locais não descartam que os autores sejam neonazistas.

– Quando abrigos para refugiados pegam fogo, isso é vergonhoso – lamentou Maas, em entrevista ao jornal Welt am Sonntag. O ministro apelou para que todos os alemães tomem uma posição clara contra o extremismo de direita.

O fogo começou por volta de 2h (horário local) e causou, segundo a polícia, danos estimados em 100 mil euros. Duas pessoas que estavam no prédio conseguiram se salvar.

Cidade é tema de manchetes

Tröglitz vem ocupando manchetes na Alemanha, devido a protestos de grupos neonazistas contra o centro de refugiados, liderados pelo partido de extrema direita NPD. O prédio era planejado para acomodar cerca 40 requerentes de asilo, a partir de maio.

A pressão chegou a fazer com que o prefeito local, Markus Nierth, renunciasse no início de março, depois de receber ameaças por causa de sua postura a favor da acolhida de refugiados e quando grupos de extrema direita anunciaram que fariam uma manifestação em frente à sua casa.

Nierth se disse “chocado, triste e, ao mesmo tempo, revoltado” com o incidente. “Tröglitz nunca se recuperará disso”, afirmou o ex-prefeito, em entrevista publicada neste sábado pelo jornal Der Tagesspiegel.