Criação de CPI do grampo é avaliada por lideres

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 14 de março de 2003 as 17:17, por: cdb

O líder do PT, deputado Nelson Pellegrino (BA), disse na última quinta-feira em depoimento à Polícia Federal, que não tem dúvidas de que houve participação do senador Antônio Carlos Magalhães no crime da escuta telefônica ilegal na Bahia. Para o líder, as provas são suficientes para o Conselho de Ética do Senado abrir um processo contra o senador.

“Eu afirmei uma convicção que hoje (13) é existente na Bahia, de que tamanha é a subserviência que as autoridades baianas devem ao senador Antônio Carlos Magalhães que um esquema como esse, pela sua amplitude, pela sua natureza, jamais seria executado sem a autorização do senador Antônio Carlos Magalhães. Eu não tenho nenhuma dúvida que o senador participou do processo de elaboração e de execução e que foi beneficiado desse esquema de grampo ilegal”, afirmou.

Já o líder do PFL, deputado José Carlos Aleluia (BA), adverte ser preciso esperar o resultado das investigações antes de julgar alguém.

“Eu fico muito preocupado quando vejo pessoas fazendo julgamentos antes da investigação. Nós defendemos a investigação, e diferentemente do líder do PT confiamos na Polícia Federal, onde o diretor é escolhido pelo presidente Lula, o ministro é escolhido pelo presidente Lula. O que nós queremos é que a Polícia Federal, como está fazendo, dê prosseguimento às investigações e conclua o que está fazendo. Qualquer julgamento antes disso é leviano e precipitado”, rebateu.