CPI espera que Xuxa contribua com sugestões de combate ao abuso sexual contra crianças

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 23 de maio de 2012 as 11:53, por: cdb

Alex Rodrigues
Repórter Agência Brasil

Brasília – A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes pretende convidar a apresentadora de TV Maria das Graças Xuxa Meneghel para participar, na Câmara dos Deputados, em Brasília, de uma audiência pública que discutirá os casos de abusos sexuais contra menores de idade.

Dois requerimentos parlamentares, de autoria dos deputados Vanderlei Macris (PSDB-SP) e Liliam Sá (PSD-RJ) deveriam ter sido votados na última reunião ordinária da CPI, realizada ontem (22), mas foram retirados da pauta pelos próprios autores, para que a justificativa do convite fosse rescrita.

A secretaria da comissão já está procurando entrar em contato com a assessoria de Xuxa. A expectativa é de que, caso ela antecipe ter interesse em participar da audiência pública, os novos requerimentos parlamentares sejam votados na próxima reunião da CPI, agendada para a terça-feira (29).

Segundo a secretaria da comissão, a apresentadora, de 49 anos, será convidada a apresentar sugestões e contribuições para o combate à exploração sexual de jovens de todo o país.

A apresentadora revelou ao programa Fantástico, da Rede Globo, que foi vítima de abuso sexual durante sua infância e adolescência. Ao ser entrevistada para o quadro O Que Vi da Vida, exibido no último domingo (20), Xuxa contou que um amigo de seu pai, um namorado de sua avó e um professor a violentaram “várias vezes” e que não contou nada aos seus pais por medo de que ninguém acreditasse nela.

“Tinha medo de falar para o meu pai e ele achar que era eu que estava fazendo isso”, disse a apresentadora, revelando que, até hoje, é perseguida pela dúvida de ter alguma “culpa” pelo que lhe aconteceu.

Além de manter uma fundação destinada a atender crianças e famílias em situação de vulnerabilidade social, Xuxa atua como porta-voz da Rede Não Bata, Eduque – movimento social que tem o objetivo de combater os castigos físicos contra crianças. Desde 2008, participa de campanhas de enfrentamento à exploração sexual de crianças e adolescentes, como as promovidas pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência República, divulgando o serviço Disque 100, criado para receber denúncias anônimas sobre violação aos direitos humanos.

Ontem (22), a ministra da secretaria, Maria do Rosário, elogiou a coragem da apresentadora, cujo depoimento ajuda a chamar a atenção para a proteção das crianças e adolescentes contra os abusos. Dados recentes do Disque 100 indicam que, entre janeiro e abril deste ano, o número de denúncias envolvendo jovens cresceu 71% em comparação ao mesmo período do ano passado, o que, para a ministra, reflete uma maior mobilização da sociedade sobre o tema.

Edição: Juliana Andrade