CPI da Baía de Guanabara convoca diretores da ADG

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 29 de abril de 2003 as 10:53, por: cdb

A CPI da Baía de Guanabara vai ouvir quatro ex-diretores a Assessoria de Desenvolvimento e Gestão (ADG) do Programa de Despoluição da Baía de Guanabara, ligados à Cedae. Devem depor Francisco Deolindo Filardi, José Rômulo de Melo, Maurício Abramant Guerbatin e Renato Lima do Espírito Santo. Eles foram convidados a comparecer e serão os primeiros nomes a depor sobre a gestão do PDBG entre 1994 e 2000. Para o presidente da CPI, deputado Alessandro Calazans (PV), os depoimentos poderão ajudar a esclarecer detalhes do uso de recursos do PDBG.

Nesta segunda-feira, no caso dos fiscais de renda, os empresários Herry Rosemberg e Ronaldo Adler, sócios da Coplac – que representa no Brasil o banco suíço Discount Bank and Trust Company, foram indiciados pela Polícia Federal por lavagem de dinheiro. Em depoimento ao titular da Delegacia de Combate ao Crime Organizado e de Investigações Especiais (Delecoie), delegado David Salem, os executivos disseram que só falarão em juízo, mas admitiram que são responsáveis pelo cadastro de clientes do banco suíço.

Os suspeitos não disseram se a Coplac cadastrou os fiscais titulares de contas bancárias no Discount. Funcionária da Coplac, Marlene Rozen também foi indiciada. Sobe, assim, para 18 o número de indiciados. O terceiro sócio da Coplac é a empresa Tradinvest Limited, com sede na Irlanda, que é investigada e tem como procurador o advogado Chaim Zalcberg. A Coplac representa o Discount Bank desde o início de 1999.

Na CPI dos fiscais, os executivos de uma joalheria e de uma empresa multinacional falaram nesta segunda-feira aos deputados da CPI da Assembléia Legislativa que investiga o caso. O deputado Paulo Melo (PSDB) descobriu que foram feitas quatro ligações da joalheria para o celular do fiscal Carlos Eduardo Pereira Ramos, durante o ano de 2001. Apesar disso, o representante da empresa negou conhecer os fiscais.