Coréia do Norte e EUA trocam fortes acusações

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 25 de abril de 2003 as 09:21, por: cdb

A Coréia do Norte afirmou que os Estados Unidos evitaram os “principais pontos” nas discussões sobre a relação entre os dois países e sobre o programa nuclear norte-coreano, que terminaram nesta sexta-feira em Pequim.

Em um comunicado do ministro das Relações Exteriores divulgado pela agência de notícias do governo, a Coréia do Norte diz ter feito uma “proposta franca”, que acabaria com as preocupações internacionais com seu programa nuclear.

Na noite de quinta-feira, o presidente americano, George W. Bush, havia acusado a Coréia do Norte de ter “voltado ao velho jogo de chantagem”.

A afirmação de Bush foi feita depois que negociadores americanos em Pequim disseram que os norte-coreanos haviam admitido que o regime de Kim Jong-il possui bombas nucleares e está reprocessando combustível nuclear para construir mais.

A informação não foi confirmada nem negada pela Coréia do Norte.

A China, que também participou das conversas, disse que os dois lados concordaram em manter os canais diplomáticos abertos para a possibilidade de novas conversações.

O presidente americano, George W. Bush, havia acusado a Coréia do Norte de estar “voltando ao velho jogo de chantagem” – depois de os americanos terem divulgado que os norte-coreanos admitiram ter armas atômicas.

Powell advertiu que os Estados Unidos não irão se curvar às ameaças. “Os norte-coreanos não devem deixar a reunião (.) com a menor dúvida de que os Estados Unidos e seus aliados não serão intimidados por suas declarações belicosas ou ameaças.”

O secretário de Estado também disse que os Estados Unidos não iriam “tirar nenhuma opção da mesa” – um sinal de que uma ofensiva militar contra o país não está descartada.

Wendy Sherman, conselheira especial para assuntos relativos à Coréia do Norte durante o governo do presidente americano Bill Clinton, advertiu que Pyongyang não costuma se limitar a fazer ameaças.

“A Coréia do Norte transforma ameaças em ações e o risco é grande”, disse.

Fontes ligadas ao governo em Washington disseram que a suposta afirmação norte-coreana de que o país possui armas nucleares não causou um grande choque, já que ela apenas confirmou relatórios de inteligência americanos.