Copiloto teria derrubado avião da Germanwings de propósito, diz promotor

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 26 de março de 2015 as 09:49, por: cdb
Segundo promotoria de Marselha, análise da caixa-preta indica que piloto do voo 4U-9525 foi deliberadamente trancado do lado de fora da cabine, e copiloto pressionou botão que lançou o avião contra as montanhas alpinas
Segundo promotoria de Marselha, análise da caixa-preta indica que piloto do voo 4U-9525 foi deliberadamente trancado do lado de fora da cabine, e copiloto pressionou botão que lançou o avião contra as montanhas alpinas

 

Segundo o promotor da cidade francesa de Marselha, Brice Robin, responsável pelas investigações, as gravações de áudio do cockpit indicam que o copiloto do voo 4U-9525 voluntariamente colocou o avião em rota de queda num momento em que o piloto havia se ausentado da cabine de comando.

Ainda segundo Robin, o copiloto, de nacionalidade alemã, não teria aberto a porta da cabine para que o piloto voltasse ao comando do Airbus A320. Ele ressaltou que, embora a porta possa ser aberta com um código, é preciso que a pessoa que está dentro da cabine aperte um botão desbloqueando o acesso.

O promotor ressaltou ainda que o copiloto não enviou qualquer sinal às torres de comando e não respondeu às tentativas de contato, enquanto continuava ignorando os pedidos do piloto para entrar na cabine. O copiloto assumiu o controle manual da aeronave e pressionou o botão que iniciou o movimento de descida.

Ao ser questionado se trata-se de um suicídio, o promotor disse que ainda não há informações que permitam chegar a essa conclusão. Mas ele garantiu que o copiloto estava vivo no momento da queda, embora houvesse silêncio total na cabine. “Ele estava vivo, podemos ouvir a respiração dele na gravação”, afirmou durante entrevista coletiva nesta quinta-feira em Marselha.

O copiloto, identificado como Andreas Lubitz, estava na empresa desde setembro de 2013 e não tinha histórico de atividades terroristas. O foco das investigações sobre as causas que levaram ao acidente com o avião da empresa alemã Germanwings nos Alpes franceses, nesta terça-feira, está agora no copiloto.

Terrorismo

O copiloto suspeito de derrubar deliberadamente o avião da Germanwings nos Alpes franceses na terça-feira foi identificado como o alemão Andreas Lubitz, de 28 anos.

Anunciando detalhes da investigação das causas da tragédia em entrevista coletiva nesta quinta-feira, o procurador de Marselha Brice Robin disse que não há ligação conhecida do copiloto com o terrorismo.

– Não há razão para suspeitar de um ataque terrorista – disse.

Perguntado se acredita que o acidente que matou 150 pessoas foi resultado de um suicídio, o procurador disse que “pessoas que cometem suicídio geralmente fazem isto sozinhas… Eu não chamo isto de um suicídio”.

Robin disse que as gravações da caixa-preta recuperadas dos destroços do desastre sugerem que os passageiros não perceberam o que estava acontecendo até o último momento.

Caixa-preta

Caixa-preta do avião da Germanwings que caiu nos Alpes franceses
Caixa-preta do avião da Germanwings que caiu nos Alpes franceses

Gravações de voz retiradas da caixa-preta do avião da empresa alemã Germanwings que caiu nos Alpes franceses mostraram que um dos pilotos deixou a cabine e não conseguiu voltar antes da queda da aeronave, matando as 150 pessoas a bordo, afirmou o jornal The New York Times.

Investigadores ainda estudam nesta quinta-feira as gravações de voz obtidas em uma das caixas-pretas em busca de informações, enquanto prosseguem as buscas nos Alpes pela segunda caixa-preta da aeronave.

– O cara do lado de fora está batendo de leve na porta e não tem resposta – disse um investigador não identificado ao NYT, citando a gravação de áudio. “E então ele bate mais forte, e sem resposta. Nunca tem uma resposta.”

– Você pode ouvir que ele está tentando arrombar a porta – acrescentou o investigador.

Um porta-voz da Lufthansa, controladora da empresa de baixo custo Germanwings, disse que a companhia estava ciente da reportagem do NYT, e acrescentou: “Não temos informação das autoridades que confirmem essa reportagem e estamos buscando mais informações.”

 

Procurador da Alemanha

Um procurador público da Alemanha confirmou nesta quinta-feira que apenas um dos dois pilotos do avião da Germanwings que caiu nos Alpes franceses estava na cabine quando aconteceu o acidente nesta semana durante voo de Barcelona para Duesseldorf.

– Um estava na cabine e o outro não estava – disse Christoph Kumpa no escritório da procuradoria em Duesseldorf, à agência inglesa de notícias Reuters, por telefone, acrescentando que a informação foi repassada por investigadores na França.

Procuradores de ambos os países estão investigando as causas do acidente, que matou 150 pessoas a bordo da aeronave.