Copa de comunidades pacificadas de artes marciais reúne atletas no Maracanãzinho

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 21 de outubro de 2012 as 15:05, por: cdb
O ginásio do Maracanãzinho foi palco, da 2ª Copa UPP de Artes Marciais

O ginásio do Maracanãzinho foi palco, neste domingo, da 2ª Copa UPP de Artes Marciais. A competição reuniu cerca de 600 atletas de karatê e jiu-jítsu, na faixa etária de 7 a 17 anos, e que fazem parte, em sua maioria, do projeto Rio 2016, desenvolvido pela Secretaria de Esporte e Lazer nas comunidades com Unidade de Polícia Pacificadora (UPPs).

Participaram do torneio competidores das comunidades da Rocinha, Cidade de Deus, Turano, Salgueiro, Formiga, Macaco, Cantagalo e até Manguinhos, ocupada recentemente. Além disso, o evento sediou, simultaneamente, o Campeonato Estadual de Luta Olímpica para adultos.

O presidente da Superintendência de Desportos do Estado do Rio de Janeiro (Suderj), Everardo Cândido da Silva, prestigiou o torneio e entregou medalhas aos atletas vencedores. Segundo ele, a Copa UPP de Artes Marciais é o resultado do trabalho de integração social e valorização do esporte realizado pelo projeto Rio 2016 nas comunidades:

– A proposta do projeto é justamente estimular a prática de esportes, oferecer estrutura aos jovens que moram nas comunidades e, principalmente, investir na formação de futuros atletas. Por isso, é uma alegria ver tantos jovens talentosos, de diversas comunidades, reunidos no Maracanãzinho para uma competição esportiva. E nessa edição, também tivemos competidores vindos de comunidades não pacificadas. Não fechamos as portas para ninguém. Queremos integrar as pessoas através do esporte – disse Everardo, que também se mostrou entusiasmado com o potencial da luta olímpica:

– A ideia de unir os dois eventos era para aumentar a visibilidade da luta olímpica junto aos jovens atletas. É uma modalidade que vem se destacando muito nas Olimpíadas e já é oferecida em algumas comunidades pacificadas – completou.

Morador de Manguinhos é um dos medalhistas

A moradora do morro dos Macacos, Laís Cristina da Silva, de apenas 9 anos, exibia com orgulho a medalha de primeiro lugar que conquistou na categoria kata, de karatê. A menina pratica o esporte há cinco anos:

– Amo lutar karatê e pretendo, um dia, participar das Olimpíadas. Fiquei muito feliz por ter vencido a competição – afirmou a atleta mirim, que já havia conquistado o segundo lugar, na mesma modalidade, na 1ª Copa UPP de Artes Marciais, que aconteceu no ano passado.

Outro atleta que também fisgou a medalha de primeiro lugar em kata, no karatê, foi Ednaldo de Andrade, de 14 anos. Ele mora na comunidade de Manguinhos, que foi ocupada na semana passada, e se disse empolgado com o evento esportivo:

– É muito legal ter um evento de artes marciais voltado para moradores de comunidades. Isso estimula muito a prática desses esportes – contou.

Da arquibancada, a assistente administrativa Luciana Lima da Silva, de 32 anos, não escondia a satisfação em ver a filha, a pequena Isabella Lima, de 9 anos, conquistar o primeiro lugar no pódio de jiu-jítsu. A menina pratica o esporte há três meses, e segundo a mãe, moradora de Brás de Pina, a Copa UPP de Artes Marciais é uma boa oportunidade para os atletas de comunidade mostrarem seu potencial.

– Nem todos têm acesso a esse tipo de evento. A Copa UPP de Artes Marciais é muito interessante porque dá visibilidade a esses atletas – disse.

Difusão da Luta Olímpica

Praticante de luta olímpica desde 2002, Susana Almeida, de 30 anos, considerou a realização simultânea do Campeonato Estadual da modalidade com a Copa UPP de Artes Marciais, uma vitrine para o esporte que pratica:

– As pessoas não conhecem muito a luta olímpica, e um evento desse porte ajuda a divulgar a modalidade. Eu recomendo às meninas de qualquer comunidade a investirem nesse esporte, que oferece muitas oportunidades de crescimento. Eu venho de uma família humilde, e desde que comecei a praticar luta olímpica, tive a chance de conhecer vários países do mundo, como Estados Unidos, Bulgária, Finlândia, Venezuela, República Dominicana e muitos outros – explicou.

Projeto Rio 2016

A iniciativa, elaborada pelo Governo do Estado e administrada pela Secretaria de Esporte e Lazer, surgiu em 2007 sob o nome Suderj em forma, mas foi rebatizada após o Rio ter sido escolhido como sede das Olimpíadas, em 2009. O objetivo do projeto, que oferece em comunidades pacificadas aulas de diversos esportes – como artes marciais, natação, vôlei, basquete, futebol, entre outros – é promover a inclusão social e contribuir para a formação de futuros atletas olímpicos.