Consumo mundial de aço tende a se recuperar no ano que vem

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 12 de outubro de 2009 as 14:42, por: cdb

O consumo global de aço irá se recuperar em mais de 9% em 2010, melhorando após a queda de 8,6% este ano, que não foi tão ruim como o esperado graças ao forte crescimento chinês, afirmou uma associação global nesta segunda-feira. A China, que contribuiu com cerca de metade da produção global, verá seu consumo aparente subir 18,8%, para 526 milhões de toneladas este ano, afirmou a Associação Mundial de Aço nesta segunda-feira. A entidade esperava anteriormente que a demanda chinesa caísse 5%.

Em abril, o grupo previa que o consumo global aparente – que não faz qualquer ajuste para possíveis mudanças nos níveis dos estoques – caísse 14,1% em 2009.

– A recuperação global está mais forte que o previsto em abril. Segundo nossa nova previsão, a China irá se recuperar em 19% em 2009 e 5% em 2010. As economias emergentes irão desacelerar 17% em 2009, mas crescerão 12% em 2010. O uso aparente de aço nos países em desenvolvimento, que se contraiu 34% em 2009, irá se recuperar em 15% em 2010. Além disso, a associação prevê que a demanda global de aço voltará a crescer em 2010 – apontou Daniel Novegil, presidente do conselho do Comitê Econômico Mundial de Aço.

A demanda global subirá 9,2%, para 1,206 bilhão de toneladas no próximo ano, ante 1,104 bilhão de toneladas este ano, estimou o grupo em suas previsões. Mas analistas levantaram preocupações sobre a sustentabilidade do crescimento inesperado da China, questionando quanto disso é demanda especulativa contra uso real. O vice-secretário geral e analista da indústria para a Associação Chinesa de Aço e Ferro (Cisa, na sigla em inglês), afirmou que a perspectiva de demanda para a China pode ser superestimada devido à falta de considerações sobre os inventários do país.

Alguns analistas temem que a posição da China nas negociações anuais sobre o preço do minério de ferro com as mineradoras possa enfraquecer mais no próximo ano à medida que a produção das usinas siderúrgicas atinja seu limite. O secretário geral da Cisa, Shan Shangua, afirmou que a entidade vê o fornecimento global de minério de ferro excedendo a demanda em 2010 conforme a produção de aço gradativamente se recuperar.

Analistas afirmam ainda que as entregas de minério de ferro à China podem cair no resto do ano uma vez que as grandes mineradoras incluindo a Vale, Rio Tinto e BHP Billiton priorizarão clientes que firmaram acordos anuais oficiais.

Consumo em alta

As importações de minério de ferro da China superaram a demanda real em 50 milhões de toneladas neste ano e o excesso de oferta não deixa margens para um novo aumento de preços, acrescentou nesta segunda-feira um executivo da Cisa. A China fracassou ao tentar impor um corte de preços mais profundo para o minério de ferro neste ano, uma vez que seu poder de barganha ficou fragilizado nas negociações anuais por conta da produção massiva de aço no país e crescente importação da matéria-prima por siderúrgicas.

– Acreditamos que o preço do minério de ferro chinês está muito influenciado por especulações – disse o vice-presidente do Conselho da Cisa, Luo Bingsheng, durante uma conferência da indústria em Pequim.

A China importou 405 milhões de toneladas de minério de ferro nos oito primeiros meses de 2009, uma alta de 32% frente ao importado um ano antes, para abastecer sua crescente produção siderúrgica.