Conselho Federal avalia testes que psicólogos usam no Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 24 de novembro de 2003 as 21:19, por: cdb

O Conselho Federal de Psicologia analisou testes que psicólogos usam no Brasil, e proibiu mais da metade, por falta de comprovação científica. Em São Paulo o Detran ainda não sabe como se adequar à nova determinação.

Quem é candidato em concurso público ou vai tirar carteira de motorista não escapa deles: os testes psicológicos avaliam inteligência, atenção, percepção, memória e personalidade. Mas 52% dos testes analisados pelo Conselho Federal de Psicologia foram reprovados por desatualização ou por dúvida sobre a eficácia no Brasil.

– Se um teste vai medir alguns critérios de personalidade de alguém ele tem que ter credibilidade cientifica para tal. Se ele não mede isso com precisão ele está prejudicando uma pessoa – avalia Gislene de Macedo, integrante do conselho.

Iraí Boccato Alves, professora da disciplina de testes psicológicos da USP acha a lista exagerada. Na opinião dela, no máximo 20% deles mereceriam reprovação.

– Muitos desses instrumentos têm pesquisa mostrando a sua eficácia. O problema é que precisa haver atualização de muitos manuais e isso não foi feito a tempo para contemplar a medida, porque dá tempo para você rever toda a literatura e publicar – diz Iraí.

A decisão foi considerada drástica pelo Detran de São Paulo, que faz cerca de 7.000 avaliações psicológicas por dia e que usa às vezes alguns testes que foram reprovados pelo conselho. O Detran vai ter de trocar os dois testes que usa como reforço na avaliação de personalidade do motorista.

A chefe do serviço de psicologia, Zulnara Brasil, diz que não tem condições de obedecer as determinações do conselho imediatamente, porque a compra de novos testes depende de licitação.

– Eu acho essa medida salutar e necessária. Eu só questiono a maneira como ela foi feita. Precisamos de um tempo pra nos adaptar a essa resolução – afirma Zulnara.

O conselho diz que não há exceções. O psicólogo que usar qualquer um dos 54 testes proibidos, estará sujeito até à cassação do registro profissional.