Conselho do Facebook quer limitar controle de Zuckerberg

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 3 de junho de 2016 as 11:43, por: cdb

A medida proposta, que será votada em assembleia geral anual do Facebook em 20 de junho, tem como objetivo certificar que os poderes de gestão de um futuro chefe do Facebook não sejam limitados

Por Redação, com Reuters – de São Francisco/Hong Kong:

O conselho do Facebook propôs remover o controle majoritário de voto de Mark Zuckerberg no caso de o presidente-executivo e fundador da rede social decidir deixar a administração em algum momento no futuro.

Em documento enviado na quinta-feira ao regulador do mercado norte-americano, a U.S. Securities and Exchange Commission (SEC), o conselho do Facebook disse que pedirá a acionistas que votem uma proposta que converteria as ações classe B de Zuckerberg em papéis classe A se ele não estiver mais em uma posição de liderança.

O conselho do Facebook propôs remover o controle majoritário de voto de Mark Zuckerberg
O conselho do Facebook propôs remover o controle majoritário de voto de Mark Zuckerberg

Em 2 de junho, Zuckerberg detinha cerca de 4 milhões de ações classe A e por volta de 419 milhões de ações classe B, representando em conjunto cerca de 53,8 % do poder de voto total em circulação e 14,8 % do total de interesses econômicos em circulação.

A medida proposta, que será votada em assembleia geral anual do Facebook em 20 de junho, tem como objetivo certificar que os poderes de gestão de um futuro chefe do Facebook não sejam limitados, disse o conselho.

– Esses são novos termos para garantir que não permaneceremos uma companhia controlada por seu fundador depois de deixarmos de ser uma empresa liderada pelo fundador – disse o conselho no documento.

Uber

A empresa de serviços de transportes urbandos Uber espera continuar em um caminho de “rápido crescimento” na China, com a esperança de ultrapassar a líder de mercado Didi Chuxing em 2017, disse a chefe de estratégia da Uber China nesta sexta-feira.

A companhia tem enfrentado competição feroz da Didi Chuxing, que conta com o apoio das gigantes da internet Alibaba Group e Tencent Holdings, através da China. A fatia de mercado do Uber na China cresceu para cerca de 30 % no momento ante 1 por cento em 2015, disse Liu Zhen durante a conferência de tecnologia Converge, do The Wall Street Journal, em Hong Kong.

Ambas as companhias fizeram grandes gastos para subsidiar tarifas para ganhar participação de mercado no país, motivando especulações na mídia local de que poderiam eventualmente unir forças. A própria Didi se uniu a uma antiga rival local no ano passado.

– Ouvi bastante o ruído e fui muito questionada sobre isso (uma associação com a Didi) – disse Liu. “Quando você olha para o crescimento que temos, o aumento da fatia de mercado de 1 por cento para um terço e a eficiência que alcançamos, nosso negócio está em uma posição melhor que nunca para dar continuidade ao crescimento rápido”.

Questionada se o Uber superaria a Didi, ela respondeu: “Espero que no próximo ano”.

Na quarta-feira, o Uber disse ter levantado US$ 3,5 bilhões em capital do fundo soberano da Arábia Saudita, fortalecendo seus recursos para expandir serviços em mercados incluindo China, Oriente Médio e África do Norte.