Conheça o discurso de Lula na Síria

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 3 de dezembro de 2003 as 20:34, por: cdb

“É com grande satisfação que me encontro hoje (quarta-feira) na Síria. Minha satisfação é tanto maior porque sou o primeiro presidente do Brasil a visitar esta terra dos antepassados de tantos brasileiros.

“Não é por acaso que escolhi a Síria como primeiro destino da viagem que faço pelo mundo árabe. Nossas relações têm uma dimensão humana única, que se expressa na comunidade de mais de 2 milhões de descendentes de sírios que hoje vivem no Brasil.

“Uma comunidade perfeitamente integrada, que tanto contribuiu e continua a contribuir para a construção da identidade social e cultural do meu país.

“Somos países com a aspiração comum ao desenvolvimento sustentável e ao bem-estar de nossos concidadãos. Nossos governos estão empenhados na renovação da vida econômica e política.

“Minha visita tem como objetivo explorar essas afinidades e pontos de aproximação. Queremos ampliar nosso intercâmbio econômico-comercial, ainda muito aquém de seu potencial.

“Demonstração viva desta disposição é a expressiva comitiva de empresários que me acompanha. Vamos expandir a cooperação em diversas áreas.

“Os acordos que assinamos hoje, nos mais variados campos, reforçam nosso compromisso em trabalharmos juntos. O Brasil é país de vocação global e, por isso, deseja estreitar suas relações com todas as partes do mundo.

“Somos também um país empenhado em moldar políticas de desenvolvimento e de integração. Na América do Sul, estamos colhendo os primeiros resultados, que queremos compartilhar com nossos irmãos árabes.

“Tenho certeza de que teremos muito a aprender com nossas respectivas experiências para aumentar os fluxos de comércio, capital e tecnologia entre nossos países e regiões.

“No seminário empresarial de que participei, há pouco, convidei os homens de negócios brasileiros e sírios a apostarem na integração econômica e comercial. Não tenho dúvida de que, em breve, veremos os benefícios deste empenho.

“Estou convencido de que precisamos utilizar nossa voz conjunta, o nosso potencial como consumidores e como opinião pública, para sermos ouvidos pelos países mais ricos. Por essa razão, entre outras, agradeço o apoio de Vossa Excelência à proposta de realização da Cúpula América do Sul – Países Árabes, no Brasil, em 2004.

“Na verdade, nossos países não podem conformar-se com a lógica econômico-comercial dos últimos séculos, que gerou riqueza de maneira tão injusta e assimétrica. Juntando forças nos fóruns internacionais e colaborando mais estreitamente entre nós, poderemos mudar em nosso favor a geografia comercial do mundo.

“Queremos, naturalmente, aprimorar nossas relações com os países desenvolvidos, mas não podemos limitar nosso intercâmbio aos vínculos com os países ricos.

“Até mesmo para sermos respeitados por eles numa relação que não seja de dependência, mas de autêntica parceria.

“Senhor Presidente, Síria e Brasil também são a encruzilhada de povos das mais diversas origens e crenças, que forjaram identidades multiculturais e tolerantes.

“No Brasil somos orgulhosos de nosso patrimônio cultural árabe, que é, hoje, parte de nossa identidade nacional. Acompanhamos com grande interesse e preocupação os acontecimentos no Oriente Médio.

“Desejamos ver prevalecerem a paz e o entendimento no lar de tantos de nossos parentes e antepassados. No Brasil, onde árabes e judeus convivem de forma harmônica e produtiva, estamos convencidos de que a paz é possível e urgente.

“Apoiamos, portanto, com confiança e expectativa, os esforços em curso para alcançar a reconciliação entre os povos do Oriente Médio.

“Confiamos que a Síria, pelo seu papel estratégico na região, contribuirá para as iniciativas que possam levar a este objetivo.

“Defendemos firmemente a criação de um Estado palestino. Estamos convencidos de que o caminho à frente é o do diálogo e da negociação e nunca o da violência e do terrorismo.

“A continuada