Congresso brasileiro repudia termos do fast track

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 12 de dezembro de 2001 as 21:02, por: cdb

Os presidentes da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), e do Senado, Ramez Tebet (PMDB-MS), poderão levar pessoalmente aos presidentes da Câmara de Representantes e do Senado dos Estados Unidos o repúdio do Congresso brasileiro aos termos do “fast track” aprovado pelo Congresso americano. A sugestão foi feita pelo deputado Aloizio Mercadante (PT-SP).

Independentemente da ida aos Estados Unidos dos presidentes das duas Casas do Parlamento brasileiro, Aécio Neves leu hoje um comunicado que mandou à presidência da Câmara dos Estados Unidos, no qual protesta contra a aprovação de um “fast track” – mecanismo que impede que legisladores daquele país emendem acordos comerciais fechados pelo governo dos Estados Unidos – com restrição a acordos na área da agricultura.

Segundo Aécio, o Brasil terá prejuízos. Ele afirmou ainda que a decisão da Câmara norte-americana é inaceitável. Uma moção contra o “fast track”, aprovada por unanimidade na Comissão de Relações Exteriores da Câmara, será votada amanhã em regime de urgência pelo plenário. Foi apresentada pelo deputado Aloizio Mercadante. Na moção, a Câmara dos Deputados conclamará o governo brasileiro a se retirar das negociações da Área de Livre Comércio das Américas (Alca) e a só retomar os contatos com os negociadores norte-americanos se e quando as medidas propostas pela Câmara dos Estados Unidos forem revistas, de forma a permitir as negociações destinadas a eliminar as barreiras atualmente existentes contra produtos brasileiros.

Já Mercadante afirmou que dos 15 produtos que o Brasil exporta para os Estados Unidos, a média de taxação é de 43%; dos 40 produtos norte-americanos importados pelo Brasil, a taxação média é de 13%.