Confronto étnico deixa 40 mortos na Nigéria

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 3 de março de 2003 as 10:47, por: cdb

Pelo menos 40 pessoas, inclusive sete policiais, foram mortos a tiros ou pauladas em confrontos entre pastores nômades e agricultores do nordeste da Nigéria, disseram as autoridades nesta segunda-feira.

Os choques começaram na quinta-feira na localidade de Song, no Estado de Adamawa. Os incidentes aparentemente não têm relação com a violência política que toma conta do país por causa da proximidade das eleições gerais de abril.

“Confirmamos um total de 40 mortos, inclusive sete policiais, mortos a sangue frio pelas facções em combate”, afirmou o porta-voz policial Chris Olakpe.

A imprensa local disse que a maioria das mortes ocorreu na aldeia de Dumne, atacada na quinta-feira (27) por pastores da etnia fulani, aparentemente empenhados em vingar um episódio semelhante ocorrido em setembro.

A polícia disse que o Exército também foi chamado para tentar controlar a situação, numa das áreas mais remotas da Nigéria. “A força tarefa conjunta já conseguiu restabelecer a calma”, afirmou Olakpe.

Analistas dizem que o elevado número de baixas entre policiais mostra a dificuldade de controlar os ânimos no país. As eleições de abril devem piorar ainda mais a situação coisas. Desde o fim do regime militar, há quatro anos, estima-se que 100 mil pessoas tenham morrido em conflitos políticos, étnicos ou religiosos.

Neste domingo, jovens militantes da etnia Ijaw deram ao governo sete dias para atender a uma série de exigências políticas. Do contrário, eles prometem uma “ação maciça” que pode afetar o funcionamento das multinacionais petroleiras no delta do rio Níger.