Confronto deixa mais de 6 mil alunos sem aulas na Cidade de Deus

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 3 de junho de 2016 as 13:11, por: cdb

Após a troca de tiros, o policiamento na Cidade de Deus foi reforçado por equipes de agentes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e do Batalhão de Choque

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro:

Informações da Secretaria Estadual de Educação, a partir de dados fornecidos pela 7ª Coordenadoria Regional de Educação indicam que cerca de 6,5 mil alunos, de 14 escolas, três creches e seis Espaços de Desenvolvimento Infantil, localizados na zona oeste da capital fluminense, ficaram sem aulas na manhã desta sexta-feira em razão de confrontos entre policiais e traficantes da Cidade de Deus.

Na manhã desta sexta, policiais e funcionários da Comlurb desfizeram barricadas montadas durante a madrugada pelos traficantes
Na manhã desta sexta, policiais e funcionários da Comlurb desfizeram barricadas montadas durante a madrugada pelos traficantes

De acordo com a polícia, os confrontos tiveram início na quinta-feira à noite, após traficantes atacarem a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) localizada na região conhecida como Karatê, na comunidade da Cidade de Deus.

Houve troca de tiros e um morador identificado como Márcio Silva foi atingido na testa por uma bala perdida. A informação foi confirmada pela Secretaria Municipal de Saúde que, por telefone, adiantou que o homem deu entrada no Hospital Lourenço Jorge, onde foi submetido a uma cirurgia de emergência e, mas passa bem e não corre risco de morte.

Após a troca de tiros, o policiamento na Cidade de Deus foi reforçado por equipes de agentes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e do Batalhão de Choque.

Na manhã desta sexta, policiais e funcionários da Comlurb desfizeram barricadas montadas durante a madrugada pelos traficantes. As informações da polícia indicam que a tentativa de invasão da UPP seria em represália à morte de uma sobrinha de um dos traficantes da Cidade de Deus.

O corpo de Priscila Gonçalves foi encontrado cheio de tiros ainda na manhã de ontem, quando o clima de tensão se instalou na comunidade. Durante a troca de tiros, uma das entradas da Linha Amarela, que leva ao aeroporto internacional Galeão, chegou a ser fechado levando caos ao trânsito.

Jovens suspeitos de estupro

O jogador de futebol Lucas Duarte Santos, de 20 anos, e Raí de Souza, de 22 anos, suspeitos de participação no estupro coletivo de uma jovem de 16 anos, no morro São José Operário, na Praça Seca, no Rio, foram transferidos na quinta-feira para um presídio no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, zona oeste do Rio. Os dois vão permanecer em uma cela chamada “seguro”, sem contato com os demais presos do sistema, para evitar que sejam hostilizados.

A informação é de Ronaldo Oliveira, delegado coordenador das delegacias especializadas do Rio. Segundo o policial, o terceiro preso, Raphael Assis Duarte Belo, de 41 anos, que se entregou à polícia na última quarta-feira, vai permanecer na Cidade da Polícia, no bairro do Jacaré, zona norte, porque ainda pode ser ouvido novamente pela delegada Cristiana Bento, da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV), responsável pelo inquérito.

O advogado Eduardo Antunes, que defende Lucas Duarte Santos, disse que o juízo da 2ª Vara Criminal de Jacarepaguá, deve dar a sentença ainda hoje, dizendo se acata o pedido de revogação da prisão temporária do jogador de futebol. O advogado disse que está confiante em uma decisão favorável da Justiça a seu cliente, porque a testemunha que depôs na quarta-feira à delegada Cristiana Bento, disse que o rapaz não teve relações sexuais com a vítima.