Conflito entre soldados e manifestantes na Turquia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 3 de maio de 2003 as 08:49, por: cdb

Forças de segurança confrontaram-se com vítimas do terremoto que protestavam contra a reação do governo na sexta-feira, mas um silêncio preocupante pairava sobre um internato nas periferias da capital regional enquanto agentes de resgate continuavam procurando estudantes sobreviventes nos escombros.

Tiros encheram o ar do lado de fora do escritório do governo uma vez que soldados pesadamente armados tentaram dispersar manifestantes enlouquecidos, preocupados com o que disseram ser assistência inadequada para residentes afetados pelo terremoto. No internato Celtiksuyu, no entanto, a única comoção veio quando outro estudante foi retirado vivo dos escombros.

A maioria das descobertas foi triste – os corpos de jovens esmagados sob a confusão de concreto e aço de um dormitório derrubado. Cada vítima foi embrulhada em um cobertor, colocada em uma ambulância e levada ao necrotério. Dos 198 estudantes dentro do dormitório, 37 foram encontrados mortos, disseram autoridades na sexta-feira.

Mas a equipe de resgate conseguiu retirar mais um garoto vivo na manhã de sexta-feira, elevando a 97 o número de crianças vivas e aumentando cada vez mais as esperanças de que os 64 estudantes desaparecidos possam estar vivos.

Enes Gunce, aluno do sexto ano, estava chorando mas não pareceu muito machucado quando os agentes de resgate o salvaram, 30 horas depois do terremoto. Houve torcida dos observadores quando o garoto foi posto em segurança.

“Não tinha esperanças que Enes pudesse estar vivo, mas ele caiu em uma pequena fenda”, disse seu tio, Baki Anacur, que ajudou a restabelecer o garoto. “Deve haver outros meninos pequenos o suficiente para caber nas fendas”.

Mas autoridades disseram que a chance era improvável. Eles chamaram uma escavadeira para cavar nos escombros, expondo mais vítimas do terremoto que matou pelo menos 118 pessoas e feriu 500. O tremor, que foi medido em uma grandeza de 6,4, durou cerca de 17 segundos, mas atingiu uma das principais linhas defasadas da Turquia e deixou quilômetros de danos.

Por enquanto, centenas de sobreviventes furiosos reuniram-se no escritório do governo para exigir mais acampamentos e outros suprimentos. O protesto cresceu horrivelmente assim que alguns manifestantes tentaram atacar o prédio e os policiais atiraram para o ar com armas automáticas para dispersá-los.

Alguns manifestantes começaram a apedrejar os veículos policiais, incitando as autoridades a pedir reforços armados.

Há muito tempo tem havido tensões entre o leste da Turquia, com população predominantemente curda, e as forças de segurança do governo. Rebeldes curdos travaram guerra na área montanhosa por 15 anos, estimulando rígidas tomadas de posição por parte do governo.

Autoridades acusaram rebeldes curdos, na sexta-feira, de tentarem tirar proveito do desastre natural para fazer pressão em prol de sua causa. Mas alguns manifestantes disseram que as forças de segurança reagiram de forma exagerada quando deslocaram pessoas da área do governador, Huseyin Avni Cos, para ajudá-las a encontrar abrigo ou abandoná-las.

“Nós viemos aqui apenas para pedir acampamentos”, disse o manifestante Ramazan Yararli à Associated Press. “Mas eles começaram a atirar em nós”.