Conferência Ibero-Americana: laços históricos e olhos no futuro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 14 de novembro de 2003 as 10:28, por: cdb

O presidente Lula viaja para a Bolívia, às 13h30 desta sexta-feira. Ele participa, em Santa Cruz de la Sierra, da 13ª Cúpula Ibero-Americana de Chefes de Estado e de Governo. A reunião leva a Santa Cruz de la Sierra a maior parte dos presidentes latino-americanos e ainda os governantes de Portugal e da Espanha. Ao todo, são 21 os países ligados à Conferência Ibero-Americana, um fórum internacional de defesa da democracia dos países e dos direitos humanos e liberdades fundamentais dos 489 milhões de habitantes da América Latina, Caribe e Península ibérica.

Como foi colonizada por Espanha e Portugal, a América Latina desenvolveu uma grande identidade histórica e cultural com suas ex-metrópoles. Da Baixa Califórnia mexicana à Terra do Fogo argentina, a língua, as tradições e costumes foram, em grande parte, herdados dos irmãos da Península Ibérica Européia.

Em 1991, séculos depois das independências dos países da América Latina e do Caribe, surgiu o embrião da Conferência Ibero-Americana. Um dos principais órgãos do grupo de países é a Secretaria de Cooperação, criada há cinco anos em Madri, na Espanha. Com ações práticas, a secretaria trabalha pelo intercâmbio entre as sociedades e para que as duas línguas – espanhol e português – sejam difundidas.

Todos os anos, acontece uma Reunião de Cúpula entre os presidentes e primeiros-ministros dos 21 países que integram a Conferência Ibero-americana. Salvador foi a única cidade brasileira a sediar o encontro, há dez anos. Nas reuniões, já foram discutidos temas como política internacional, desenvolvimento social, comércio, integração regional, educação, democracia, governabilidade participativa, infância e globalização. Neste ano, o tema é “A inclusão social como rota de desenvolvimento”.

O encontro está sendo considerado um dos mais estratégicos da Conferência Ibero-Americana já que, no ano passado, foi estabelecido um grupo de trabalho durante a Reunião de Cúpula de Bávaro, na República Dominicana, com a intenção de avaliar o futuro da Conferência. Esse grupo, liderado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, deve apresentar o resultado dos estudos durante o encontro em Santa Cruz de La Sierra, que começa hoje e vai até amanhã.

Em um artigo que escreveu recentemente no livro Inclusão Social e Desenvolvimento, que trata do futuro da Comunidade Ibero-americana, Fernando Henrique sustentou que as ações da Conferência devem ser centradas em dois eixos, um para o diálogo político e outro de racionalização da ajuda aos países-membros. Para isso, ele deve sugerir a criação de uma agência ou secretaria Permanente da Comunidade Ibero-americana, com um secretário-geral e dois adjuntos. O grupo também ficou encarregado de apresentar os critérios de adesão de novos países.