Comunidade internacional enviará força-tarefa à Argélia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de maio de 2003 as 08:49, por: cdb

Uma força-tarefa internacional foi enviada à Argélia para ajudar nos trabalhos de busca nos escombros deixados pelo terremoto que deixou cerca de 1,1 mil mortos e 7 mil feridos na noite de quarta-feira.

A França já enviou mais de cem pessoas a sua ex-colônia para ajudar no resgate dos feridos, além de cães farejadores e equipamento de emergência.

Na manhã desta sexta-feira, um avião russo partiu em direção à Argélia com 57 especialistas em resgate e 24 médicos de um centro médico especializado em situações de calamidade pública. O avião carrega ainda 900 quilos de remédios.

A Grã-Bretanha mandou 42 bombeiros e cães farejadores à região atingida, e a Alemanha enviou 22 especialistas em resgate.

A Espanha, que sentiu os efeitos do terremoto em seu próprio território, prometeu enviar um avião militar com 30 funcionários para ajudar nas buscas.

Milhares de pessoas passaram uma segunda noite a céu aberto, na medida em que novos tremores continuavam a sacudir a capital, Argel. Três dias de luto foram decretados pelas vítimas da tragédia.

O epicentro do tremor, que atingiu 6,7 graus na escala Richter (aberta, cujo máximo já registrado foi 9,5), ocorreu em um local próximo à cidade de Thenia, que fica cerca de 60 quilômetros a leste de Argel.

Os que sobreviveram à tragédia começaram a cavar entre os escombros com suas próprias mãos, numa tentativa desesperada de tentar encontrar parentes e amigos.

O número de mortos e feridos ainda deve aumentar, segundo o governo, já que centenas de corpos estariam presos sob os escombros de construções que desabaram.

– Infelizmente, ainda não terminamos de atualizar esses números cada vez mais trágicos – disse o primeiro-ministro argelino, Ahmed Ouyahia, ao visitar uma das áreas afetadas.

O terremoto ocorreu por volta das 19h45 de quarta-feira (15h45 em Brasília) e durou alguns segundos, durante os quais muitas pessoas saíram em pânico às ruas.

– É catastrófico. Nunca vi tamanho desastre em minha vida. Tudo desabou -disse um morador de Rouiba, Yazid Khelfaoui.

Logo depois do terremoto, o presidente do país, Abdelaziz Bouteflika, realizou uma reunião de emergência com membros de seu gabinete e enviou o ministro do Interior às áreas afetadas.

As autoridades fizeram um apelo para que todos os trabalhadores da área da saúde se disponibilizem para ajudar às vítimas e a coletar doações de sangue.

Em Argel, o terremoto da quarta-feira foi seguido por dois menores. Segundo o correspondente da BBC, muitas pessoas decidiram ficar nas ruas, com medo de novos sismos.

De acordo com o Instituto de Investigações Geológicas dos Estados Unidos, esse foi o tremor mais violento registrado no país desde 1980, quando um terremoto de 7,7 graus na escala Richter deixou cerca de 5 mil mortos.