Comunidade chinesa em Paris sofre com a violência

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 31 de julho de 2001 as 17:08, por: cdb

Quem se arrisca a um passeio por Belleville, a leste de Paris, pode ter uma desagradável surpresa. O bairro que, rapidamente, transforma-se no reduto da comunidade chinesa, vem sofrendo com o aumento da criminalidade, com pequenos furtos nas ruas e lojas comerciais. Conhecidos por sua discrição, os asiáticos do bairro estão exasperados: “somos as principais vítimas dos delinqüentes”, reclama um comerciante.
– Isso acontece não é de hoje, mas dessa vez eles excederam os limites – continua.
Pho, 38, gerente de um laboratório fotográfico, observa através de sua pequena vitrine a chegada de bandos que se aproximam dos automóveis quando páram no sinal vermelho. “Um jovem abre a porta do carro, de repente, e leva as sacolas que estavam no banco traseiro”, relata.
– Se prestarem atenção vão ver que as mulheres não carregam mais sacolas ou bolsas de mão. Preferem conservar o dinheiro em seus bolsos – continua.
O perfil dos delinqüentes, “é de jovens de origem africana ou árabe, que conhecem os nossos hábitos”, afirmam vários comerciantes. Um destes hábitos é pagar em dinheiro vivo, o que sempre aumenta a cobiça dos assaltantes. “Alguns de nossos conterrâneos não têm documentos, logo, recebem em dinheiro e os vadios sempre tentam levar-lhes os seus salários”, explica um comerciante.
Eles dizem, ainda, que a comunidade chinesa em Paris “faz a própria lei para parar com a delinqüencia, “mas nunca ví nada igual”, conclui.