Companhias aéreas fazem promoção

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 17 de fevereiro de 2003 as 23:27, por: cdb

Tradicionais meses de alta temporada turística, janeiro e fevereiro de 2003 estão sendo os mais fracos dos últimos tempos para a aviação doméstica. O movimento de passageiros caiu 7,5% no mês passado, em comparação com o mesmo mês em 2002. Nessa época, as empresas compensam a baixa demanda da classe executiva pela alta do turismo, o que não ocorreu. O resultado foi a abertura de nova guerra de preços envolvendo TAM, Vasp e Gol.

Segundo especialistas da aviação, será perigoso manter a batalha por longo período. Ela pode corroer ainda mais as margens de lucro das empresas, que têm suas operações cotadas em dólar e as receitas em reais.

Varig, TAM e Vasp lançaram promoções em plena alta temporada para melhorar os índices de ocupação nos vôos, que ficaram em 57%, em média, em janeiro. Os descontos superam 80% em certos casos. A Varig também mantém algumas promoções, mas está tentando ficar de fora da guerra tarifária. A Gol foi a mais ousada. A partir desta terça-feira, quem comprar um bilhete de ida e pagar mais R$ 1, ganha a passagem de volta.

Na prática, isto significa um desconto de 50%. A promoção vai até 31 de março e vale apenas para alguns trechos. Na ponte aérea, por exemplo, o desconto só valerá para quem fizer a viagem via aeroporto internacional do Galeão, no Rio. Quem optar pelo aeroporto Santos Dumont não contará com a promoção. Além disso, haverá restrições. O passageiro terá de ficar cinco noites no destino antes de fazer a viagem de volta e precisa fazer a compra pela Internet.

Estratégia
De acordo com um observador do setor, ao lançar a promoção de R$ 1, a estratégia da Gol é “emocional”, e não técnica. É uma forma de responder ao recente anúncio de formação da holding unindo as concorrentes TAM e Varig. De toda forma, a companhia é a única do mercado capaz de bancar promoções como esta sem sangramento financeiro.

Segundo fontes do mercado, a Gol vai receber R$ 86 milhões pela venda de 20% de suas ações para a seguradora americana AIG. O acordo foi aprovado pelo Departamento de Aviação Civil (DAC) e será oficializado depois de uma reunião entre os acionistas.

Além disso, a Gol tem um grupo poderoso por trás, o Áurea, que fatura mais de R$ 1 bilhão com transporte rodoviário de passageiros. A Gol tem 22 aviões e uma fatia de 16,66% do mercado. A empresa teve índice de ocupação de 64% em janeiro e precisa melhorá-lo em pelo menos dois pontos percentuais para chegar ao break-even, o que poderá ocorrer com a nova promoção.

Vasp
Segundo fontes do setor, a Vasp será a mais prejudicada com a promoção da Gol, com quem tem travado disputas pelo terceiro lugar na aviação doméstica. A Vasp teve 13,27% do mercado em janeiro e 60% de ocupação nos vôos. Seu problema é que tem dívidas antigas e uma frota mais envelhecida do que a da Gol.

A Vasp mantém desde janeiro uma série de promoções e está vendendo o bilhete entre Congonhas (SP) e Santos Dumont (RJ) por R$ 163, ou R$ 36 as menos do que a TAM no trecho. O presidente da Vasp, Wagner Canhedo, afirmou recentemente que é contra a guerra da tarifas e reclamou da liberdade da Gol em operar nos principais aeroportos do País com baixas tarifas. Mas declarou que a Vasp vai continuar enfrentando a concorrência, mesmo se não conseguir entrar para o acordo TAM-Varig.

A Varig, líder do setor com 36% do mercado, manteve índices estáveis de ocupação dos vôos em janeiro, com 59% (tinha 63% em janeiro de 2002). A tarifa promocional na ponte aérea entre Congonhas e Santos Dumont é de R$ 309. A empresa mantém promoções de até 80% em vários trechos para compra com antecedência e pela Internet.

A TAM está fazendo promoções desde o dia 16 de janeiro, quando lançou descontos de até 60% sobre tickets eletrônicos que podem ser comprados por agência de viagem ou pelo site da TAM. O objetivo é atrair passageiros para os vôos, que ficaram excessivamente vazios em janeiro.

A empresa tem 32% do mercado e teve ocupação de apenas 50% nos aviões em janeiro, índice