Começa racionamento de água em SP

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 22 de outubro de 2003 as 10:12, por: cdb

A partir desta quarta-feira e até o final do mês, 440 mil moradores da Grande São Paulo vão sofrer rodízio de água. Os locais afetados pelo racionamento, que integram a área abastecida pelo reservatório do Alto Cotia, são as cidades de Cotia, Itapecerica da Serra, Vargem Grande, Embu e Embu Guaçu. A Sabesp anunciou que a região será dividida em duas áreas, que vão se alternar em períodos de 36 horas com e sem abastecimento. O rodízio, que chegou a ser anunciado no começo do mês, foi suspenso após a ocorrência de chuvas em São Paulo. Com a volta da estiagem, no entanto, Sabesp voltou atrás e decidiu implantar o racionamento.

Os cortes no abastecimento buscam recuperar o nível do reservatório Alto Cotia, que hoje está com apenas 5,8% de sua capacidade. De acordo com a Sabesp, o manancial de Cotia, que registrava nível 6,8% em 11 de outubro, subiu para 8,2% após as chuvas do dia 13 em São Paulo. No entanto, como as chuvas não continuaram, o nível do reservatório logo caiu para os atuais 5,8%.

Atualmente, o sistema produz 1100 litros de água por segundo para atender a demanda da região. Com o racionamento, a Sabesp espera reduzir a vazão para 500 litros por segundo, como forma de garantir um nível mínimo de armazenamento de água. O Sistema Alto Cotia recolhe água do curso do rio Cotia e a armazena na represa Pedro Beitch.

Sabesp pode premiar consumidor econômico

Além de racionar água, a Sabesp espera reduzir o consumo de água em várias regiões da Grande São Paulo com campanhas de abastecimento. De acordo com a empresa, o consumo per capta de água na região metropolitana é de 220 litros. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda um consumo médio de 180 litros per capta.

Além de campanha publicitária, a empresa de saneamento estuda a concessão de prêmios às residências que baixarem o consumo. A Secretaria de Recursos Hídricos do Estado também estuda impor multas aos consumidores que gastarem demais.

Rodízio pode afetar outros 9 milhões em SP

Além do sistema Alto Cotia, o maior manancial da Grande São Paulo, o Cantareira, pode entrar no racionamento de água a partir de novembro. O Sistema Cantareira tem cerca de 8% de sua capacidade e é o maior da região metropolitana. Por segundo, 31,6 mil litros de água são liberados no Cantareira. Caso haja racionamento no Cantareira, cerca de 9 milhões de usuários das zonas norte e leste de São Paulo, além das cidades de Osasco, Guarulhos, Diadema, Caieiras, Franco da Rocha e Francisco Morato serão afetadas.