Começa, nesta segunda-feira, o julgamento do caso Isabella Nardoni

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 20 de março de 2010 as 14:57, por: cdb

O julgamento do casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá terá início às 13h desta segunda-feira. Eles são acusados de matar a menina Isabella Nardoni, de 5 anos, filha de Alexandre. O júri acontecerá no fórum de Santana, Zona Norte da capital paulista. No primeiro dia de julgamento, estimativa dos advogados é a de que a sessão se estenda até às 21h e, no outros dias, será retomada às 9h. Durante todo o período em que durar o julgamento, a avenida Engenheiro Caetano Álvares, localizada em frente ao fórum, terá uma das faixas interditadas por razões de segurança.

Segundo o Tribunal de Justiça (TJ), o juiz Maurício Fossen deverá comandar o julgamento por cerca de cinco dias. Ao todo, 23 testemunhas serão ouvidas. Conforme o TJ, são três testemunhas de acusação, 17 convocadas pela defesa e outras três comuns à defesa e à acusação – uma delegada, uma perita e um médico-legista.

Promotor de Justiça encarregado da acusação, Francisco Cembranelli, do Ministério Público de São Paulo, apontou como provas contra o casal laudos periciais e versões de testemunhas. Durante as investigações, foram ouvidas mais de 60 pessoas. Ano passado, segundo o promotor, já não haveria dúvidas da condenação do casal.

– Acredito que o casal será condenado, por unanimidade. É a ideia que eu tenho de que esse acervo probatório vai ser muito bem compreendido pelo júri, possibilitando aí sim uma condenação – afirmou a jornalistas.

A defesa está a cargo do advogado Roberto Podval. Ele assumiu o caso em abril do ano passado e alega, entre outros argumentos, não haver provas suficientes para incriminar o casal. Podval também acredita que eles viviam em harmonia e que o edifício London, onde Isabella morreu, era vulnerável à entrada de estranhos na ocasião. A defesa chegou a levantar a hipótese de que Isabella teria morrido em um acidente doméstico.

Isabella morreu em 29 de março de 2008, ao cair ou ser jogada do sexto andar do prédio onde morava com seu pai e a madrasta, na Zona Norte de São Paulo. Desde então, o casal está preso.