Combatentes matam rebeldes houthis em emboscada no Iêmen

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 2 de junho de 2015 as 12:07, por: cdb
Fumaça em prédio pertencente ao Ministério da Educação após ataque saudita no noroeste do Iêmen
Fumaça em prédio pertencente ao Ministério da Educação após ataque saudita no noroeste do Iêmen

 

Combatentes tribais do Iêmen mataram pelo menos 18 rebeldes houthis em uma emboscada na província central de Ibb nesta terça-feira, disseram moradores, em um dos ataques terrestres mais letais em mais de dois meses de guerra.

A ofensiva atingiu um comboio de milicianos e soldados aliados do Exército na cidade de Qaeda quando eles rumavam para a cidade de Taiz, local de embates frequentes entre a facção rebelde houthi, que está no domínio do Iêmen, e apoiadores armados do presidente iemenita, Abd-Rabbu Mansour Hadi, exilado na Arábia Saudita.

Mais ao sul, na província de Dhalea, cerca de 15 houthis foram mortos em confrontos intensos com combatentes pró-Hadi na noite de segunda-feira.

Uma coalizão de países árabes encabeçada pelos sauditas, que pretende recolocar Hadi no cargo, realizou ataques aéreos durante mais de nove semanas contra os rebeldes houthis, que ocuparam grandes porções do Iêmen.

Membros de uma seita xiita oriunda do extremo norte do país, os houthis tomaram a capital em setembro e se espalharam para o sul, desencadeando a intervenção militar árabe.

Eles descrevem seu avanço como uma revolução e uma vitória contra a corrupção, mas os Estados sunitas do Golfo Pérsico temem que eles atuem sob a influência do Irã, seu rival regional xiita.

Refém francesa 

A França disse ser autêntico um vídeo que mostra uma refém francesa no Iêmen apelando por ajuda ao presidente François Hollande e ao presidente exilado do Iêmen, Abd Rabo Mansour Hadi, e disse que fará tudo para garantir sua libertação.

A existência do vídeo de Isabelle Prime, consultora para o Fundo Social para Desenvolvimento do Iêmen, foi relatada pelo jornal francês Ouest-France nesta segunda-feira. O vídeo foi publicado pela primeira vez em 4 de maio no Youtube.

O vídeo, visto pela equipe de reportagem da agência inglesa de notícias Reuters, mostra Isabelle ajoelhada na areia. Ela está vestida de preto e faz seu apelo em inglês.

– Sr. Hollande e sr. Hadi, meu nome é Isabelle, fui sequestrada 10 semanas atrás no Iêmen, em Sanaa. Por favor me levem rápido à França porque estou muito, muito cansada – disse a mulher no vídeo.

– Tentei me matar diversas vezes porque sei que vocês não vão cooperar e entendo totalmente – acrescentou.

Isabelle e seu tradutor iemenita, Shereen Makawi, foram sequestrados por atiradores na capital Sanaa em fevereiro, enquanto iam para o trabalho. Não houve reivindicação pública de responsabilidade até o momento.