Com ação educacional, Samu de Santo André consegue redução nos trotes ao 192

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 18 de abril de 2012 as 14:17, por: cdb

18/04/2012 – 17:10 Secretaria de Saúde Trabalho intenso por meio do Projeto Samu nas Escolas fez com que número de ligações caísse 26%; trote agora resulta em multa de R$ 1.239,35

Projeto Samu nas Escolas conscientiza crianças e adolescentes, público alvo da iniciativa, fazendo-os multiplicadores na família
Fotos: Elson Rocha/PSA

Sancionada pelo governador Geraldo Alckmin, na ultima terça-feira, por meio de lei, quem passar trote para qualquer tipo de serviço de urgência e emergência, como Polícia Militar, corpo de Bombeiros e SAMU, paga multa de R$ 1.239,35. Em Santo André, trabalho diferenciado para reduzir a ocorrência de ligações falsas ao Samu tem sido realizado desde o ano passado com resultados positivos: o Projeto Samu nas Escolas.

Em 2011, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) recebeu 37.934 ligações. A média de trote era 38% deste total, ou 14.415 telefonemas. Nos primeiros meses deste ano, por meio de ações pontuais decisivas, o Núcleo de Educação Permanente de Urgência (Nepu), a Secretaria de Saúde conseguiu diminuir o número de trotes ao serviço 192 em 26%, registrando, nas médias consolidadas dos meses de janeiro e fevereiro, apenas 12% de contatos registrados como trotes.

Do total de 16.547 ligações recebidas em janeiro e fevereiro, 12% delas eram chamadas falsas. Em janeiro, das 8,4 mil ligações recebidas, 12,08% eram trotes, ou seja 1.015 telefonemas. Em fevereiro, das 8.147 ligações, 12,85% foram trotes, ou seja, 1.047 telefonemas.  

Samu nas Escolas

Desenvolvido pelo Núcleo de Educação Permanente de Urgência (Nepu), em 2011, o programa visitou mais de 40 escolas, entre instituições municipais, estaduais e particulares, atingindo mais de 10 mil alunos. Diante da necessidade de melhorar o atendimento móvel de urgência à comunidade e reduzir o percentual de trotes, o projeto Samu nas Escolas conscientiza crianças e adolescentes, público alvo da iniciativa, fazendo-os multiplicadores na família e na sociedade. O conteúdo das palestras aborda prevenção, como acidentes domésticos, de trânsito e na escola. Inclui primeiros socorros, forma correta de acionar o número 192, emergências clínicas (engasgo, sangramento nasal, convulsão, desmaio, febre e hemorragias) e emergências traumáticas (queda/fratura, atropelamento, corte/ferimento e corpo estranho).

A estratégia envolve uma equipe técnica do Nepu/Samu que vai até a unidade escolar, e, por meio de teatro, apresenta a montagem aos alunos e funcionários. Como suporte, uma ambulância descaracterizada do Samu adesivada com o logo do projeto acompanha a visita. Um mascote do personagem Samuzinho, criado especialmente para a ação, garante a animação. Para apoio pedagógico, contamos ainda com um jogo (orientando como utilizar o serviço 192) e uma revista em quadrinhos (ensinando os primeiros socorros as crianças).

A coordenadora do Nepu, Ana Verônica Dias, reforça que o trabalho desenvolvido com as crianças busca a conscientização, diminuição e mudança de comportamento delas . “Sabemos que as crianças, principalmente em época de férias escolares, acabam ligando para o serviço 192 e por brincadeira passando trotes. A partir do momento que mostramos a importância do trabalho do Samu para elas, esse conceito muda”, salientou.

Para o diretor do Samu de Santo André, Dr. Francisco de Assis Pereira Filho, a diminuição mostra que, além de o projeto Samu nas Escolas atender todas as expectativas com os pequenos, o atendimento prestado pelo serviço se torna mais ágil e eficiente. “Ele chega rápido aonde realmente é preciso, conferindo agilidade e qualidade, além de poupar muitas vidas”.

Mais informações à imprensa:

Daniel Betega / José Henrique Mioto

Assessoria de imprensa

dabetega@santoandre.sp.gov.br / jhmioto@santoandre.sp.gov.br

18/04/2012

Download Original Elson Rocha/ PSAPrograma visitou mais de 40 escolas, entre instituições municipais, estaduais e particulares, atingindo mais de 10 mil alunos