Collor diz que queria se matar durante impeachment

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 3 de dezembro de 2003 as 09:15, por: cdb

O ex-presidente Fernando Collor de Mello admitiu que pensou em cometer suicídio durante o processo de impeachment em 1992. A declaração foi feita durante entrevista ao programa “Superpop”, da Rede TV, na qual reconheceu que lhe faltou humildade e experiência na época em que governou o País.

“Pensei em dar cabo de minha própria vida. A perseguição era tão grande”, disse Collor, que disse que um governador da época lhe convenceu a esquecer a idéia.

Collor admitiu ainda que errou ao determinar o confisco da poupança da população. “O sofrimento foi grande, a decisão foi dura, mas por outro lado era uma medida necessária para que o Brasil não descesse ladeira abaixo”, comentou.

O ex-presidente disse que hoje não tomaria a mesma medida. “Eu teria encontrado uma outra maneira que talvez não desse um resultado tão efetivo de início, mas eu não faria isso de novo”. “Foi um deslumbramento total. Eu me sentia um super-homem que poderia mudar o Brasil do dia para a noite”, disse com relação a sua inexperiência no cargo.

O ex-presidente lamentou não ter tido mais contato com o irmão Pedro Collor, autor das denúncias que desencadearam o processo de impeachment. “Eu não esperava. O que aconteceu com o Pedro foi um processo inexplicável”, disse.

Após denunciar o irmão, Pedro Collor descobriu que tinha um tumor no cérebro. Pedro, que morreu em conseqüência da doença, chegou a fazer exames psiquiátricos para atestar sua saúde mental.