Coligação internacional destrói caminhões-tanque do EI

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 16 de novembro de 2015 as 12:48, por: cdb

Por Redação, com ABr – de Beirute:

O Pentágono disse nesta segunda-feira que a coligação internacional liderada pelos Estados Unidos destruiu, pela primeira vez, 116 caminhões-tanque utilizados pelo grupo extremista Estado Islâmico no Leste da Síria.

O grupo radical controla a maioria dos campos de petróleo na Síria
O grupo radical controla a maioria dos campos de petróleo na Síria

Os caminhões foram destruídos no domingo, perto de Boukamal, uma cidade dominada pelo Estado Islâmico na fronteira com o Iraque, de acordo com o comunicado do Departamento de Defesa dos Estados Unidos.

O grupo radical controla a maioria dos campos de petróleo na Síria, em particular na província de Deir Ezzor. Segundo pesquisa publicada em outubro pelo Financial Times, a venda de petróleo no mercado clandestino rendeu aos jihadistas US$ 1,5 milhão por dia, quando o preço médio do barril era US$ 45.

O ataque teve como objetivo atingir uma das principais fontes de financiamento do grupo extremista.

Segundo o New York Times, dois aviões F-15 lançaram folhetos uma hora antes do ataque, convidando os motoristas a deixar os seus veículos.

De acordo com o Pentágono, a coligação fez 13 ataques no domingo, atingindo também diferentes áreas do Iraque.

‘Esforços redobrados’

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, prometeu no domingo, na abertura da reunião de cúpula do G20, na Turquia, “esforços redobrados” para eliminar o grupo Estado Islâmico que reivindicou os atentados de sexta-feira em Paris.

– Vamos redobrar esforços para assegurar uma transição pacífica na Síria e para eliminar o Estado Islâmico – afirmou Obama em conferência de imprensa após uma reunião com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, na 10ª edição da Reunião anual de cúpula do G20, principais economias avançadas e emergentes do mundo.

Antália, na Turquia, é hoje o centro das decisões no combate ao terrorismo, na sequência dos atentados ocorridos na sexta-feira em Paris, que provocaram 129 mortes e deixaram 352 feridos, 99 em estado grave.

Na agenda, fixada ainda antes dos atentados de sexta-feira à noite na capital francesa, figura a guerra na Síria, a luta contra os jihadistas extremistas do autodenominado Estado Islâmico (EI) e as alterações climáticas.

Em Paris, os ataques ocorreram em pelo menos seis locais diferentes da cidade, entre eles uma sala de espetáculos e o Stade de France, onde ocorria uma partida de futebol entre as seleções da França e da Alemanha.

Os membros do G20 são: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, a China, Estados Unidos, França, Itália, Índia, Indonésia, Japão, México, República da Coreia (Coreia do Sul), Reino Unido, Rússia, Turquia e União Europeia.