Colégio centenário volta a funcionar em Niterói

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 18 de dezembro de 2007 as 13:21, por: cdb

Os alunos, professores, funcionários e a direção do Liceu Nilo Peçanha, em Niterói, ganharão um presente de Natal. Nesta quarta-feira, eles poderão voltar a freqüentar a escola, nove meses depois das reformas que recuperaram a estrutura e a conservação de um dos mais tradicionais colégios do Estado do Rio. O governo do Estado investiu R$ 2,9 milhões no trabalho de restauração. 

As obras começaram em fevereiro, depois que a laje de uma das torres do prédio desabou. Os estudantes – que em abril foram transferidos para as instalações da Universidade Salgado de Oliveira (Universo), a fim de não perderem o ano letivo – voltarão a ocupar as 28 salas de aula do prédio que, há 23 anos, foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). 

–  Este é um grande investimento do Estado na escola em quase 20 anos. Uma vitória da nossa gestão – comemora o secretário de Estado de Educação Nelson Maculan.

Construída em 1918 e batizado com a atual denominação em 1931, em homenagem ao ex-presidente Nilo Peçanha, a instituição abriga 3.207 alunos do Ensino Médio, 200 professores e 80 funcionários. Na verdade, sua existência remonta ao Período Imperial, por ocasião da criação da primeira Escola Normal das Américas, em 1835. Em 1847, passou a chamar-se Liceu Provincial de Niterói.

O prédio atual, situado na Avenida Amaral Peixoto, faz parte do conjunto arquitetônico da Praça da República e foi inspirado nas escolas francesas do século 19. Por suas salas de aula passaram nomes de destaque da sociedade brasileira, como Irineu Marinho, Lima Barreto, Gonçalves Dias e Roberto Silveira.

Apesar de sua importância histórica e da excelência do ensino – até os anos 60 chegou a competir com o Colégio Pedro II, no Rio – o do Liceu Nilo Peçanha só havia passado, anteriormente, por três obras, sendo a última em 1989. Em 2008, a Secretaria de Estado de Educação reformará também as áreas anexas ao prédio, como as destinadas à prática de Educação Física.