CNBB é contra redução da maioridade penal

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 26 de novembro de 2003 as 16:16, por: cdb

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) vai se mobilizar para que o Congresso Nacional rejeite os projetos que tramitam na Casa propondo a redução da maioridade penal. Existem 58 projetos no Senado e na Câmara que propõem modificações no Estatuto da Criança e do Adolescente. O presidente da CNBB, Dom Geraldo Majella Agnello, afirmou que a redução da maioridade é uma solução fácil para um problema difícil. Para ele, o que está em jogo é a juventude e, por isso, não adianta pensar só na pena, mas sim discutir formas de prevenção da violência.

Em entrevista à imprensa, Dom Geraldo Majella disse que a violência cometida por menores não é caso só de polícia. Segundo ele, os políticos devem ajudar na criação de oportunidades de lazer e na oferta de educação sadia, voltada para valores. Dom Geraldo Majella destacou ainda que há um conjunto de fatores que deveriam ser objeto de reflexão, inclusive o papel da mídia.

Ele disse que é contra a realização de plebiscito para decidir sobre a redução da maioridade penal. Dom Geraldo considera o momento inoportuno, porque o plebiscito iria refletir o calor e a paixão que a sociedade experimenta quanto existe algum crime ou a lembrança de crimes hediondos que aconteceram. “Não vejo por que um plebiscito simplesmente deva ser empregado para a consulta”.

Na entrevista, Dom Geraldo Majella confirmou o apoio da CNBB ao Plano Nacional de Reforma Agrária anunciado pelo governo. Dizendo que “o plano é realista”, Dom Geraldo destacou que, se houver vontade política do governo e do Legislativo, será simples a implementação do programa. Ele comentou também os recentes episódios envolvendo os idosos e o Ministério da Previdência. Para Dom Majella, foi desagradável para o governo e para os idosos a forma encontrada para o recadastramento dos aposentados com mais de 90 anos. – Espero que esses descuidos não se repitam. Há outros meios que o governo pode adotar para evitar desvio de dinheiro da aposentadoria – afirmou