Clube dos 13 e Globo Esportes ainda estão sem acordo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 16 de julho de 2002 as 15:02, por: cdb

Não foi desta vez que o Clube dos 13 e a Globo Esportes chegaram a um acordo em relação à cota dos direitos de transmissão dos jogos do Campeonato Brasileiro. Os representantes dos participantes da competição e da emissora detenta dos direitos de televisão, que se reuniram em São Paulo, não chegaram a um acordo final. Porém, mesmo com alguns detalhes pendentes, os clubes tiveram que aceitar a redução no valor do contrato.
Ficou acertado que a Globo Esportes destinará R$ 130 milhões aos 19 membros do Clube dos 13 e mais uma quantia menor para os sete times restantes que disputarão o Campeonato Brasileiro. O valor ficou R$ 18 milhões inferior ao que tinha sido acordado inicialmente no primeiro semestre.
De acordo com Fábio Koff, presidente do Clube dos 13, a redução é uma situação globalizada e que até os times europeus estão enfrentando dificuldades. “Nossos clubes têm que aceitar este fenômeno e se adaptarem à realidade”, afirmou Koff, após reunião.
Para o presidente do Fluminense, David Fischel, a redução proposta pela televisão é muito significativa, ele acredita que já cederam o suficiente.
A próxima reunião foi agendada para o dia 19/07, na sede do Fluminense, no Rio de Janeiro. A direção da Globo Esportes ficou de responder as solicitações dos clubes.
Os dirigentes não querem aceitar a proposta da emissora de fixar o valor de R$ 130 milhões até o término do contrato em 2005. Outra pendência é com relação ao adiantamento requerido pelos clubes de R$ 20 milhões do campeonato de 2003.
O Clube dos 13 também estuda um ranking das equipes, que terá como base a exposição na mídia e pela audiência das partidas na televisão. A idéia é dividir os integrantes em quatro grupos, com diferentes cotas para cada um dos grupos.
“Clubes como Flamengo e Corinthians não podem aceitar o nivelamento. Numa novela, o protagonista ganha mais que um coadjuvante. No Brasileirão também será assim”, afirmou Gilberto Cardoso, presidente interino do Flamengo.