Clima tenso em Mosul

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 16 de abril de 2003 as 09:26, por: cdb

Pelo menos sete iraquianos foram mortos por soldados dos Estados Unidos, durante uma manifestação violenta ocorrida na cidade de Mosul, na terça-feira, confirmou o general Vincent Brooks, porta-voz do Comando Central da coalizão.

Brooks disse que alguns manifestantes atiraram contra fuzileiros navais e soldados das Forças Especiais dos EUA perto de um prédio público que os norte-americanos tinham ocupado, no centro da cidade.

“Tiros foram disparados contra forças dos fuzileiros navais e das operações especiais nesse complexo”, afirmou o general. “E, em reação, tiros foram disparados contra alguns manifestantes, contra alguns dos agitadores que subiam o muro do prédio. Foi fogo letal”.

Brooks, que concedia sua entrevista diária à imprensa, acrescentou que pelo menos sete pessoas morreram.

Horas antes, uma autoridade do serviço de inteligência curdo disse à CNN que moradores árabes da cidade, que fica no norte do Iraque, protestavam contra a “ocupação norte-americana” do prédio do governo local.

A fonte relatou que a multidão ficou enfurecida quando os militares norte-americanos se instalaram no prédio e ergueram a bandeira dos Estados Unidos.

“Um integrante da oposição tentou fazer um discurso, afirmando que os norte-americanos estavam lá para trazer democracia ao país, mas a multidão começou a atirar pedras contra ele, e os militares norte-americanos abriram fogo”, contou uma testemunha.

“Não aos norte-americanos. Não ao governador”, gritava a multidão, segundo a autoridade curda. Alguns manifestantes exclamaram: “Chegou a hora da jihad (guerra santa)”.

O homem que tentou discursar é Mishaan Jabouri, que negou recebido dos EUA o título oficial de governador.

Jabouri é líder de um grupo iraquiano de oposição, com base em Damasco, na Síria, e retornou recentemente a Mosul.

Em entrevista ao canal de televisão de língua árabe Al-Jazeera, Jabouri argumentou que, apesar de compartilhar com os EUA o objetivo comum de depor Saddam Hussein, nunca aceitaria uma ocupação norte-americana.

Nesta quarta-feira, o correspondente da CNN Ben Wedeman disse que dois helicópteros DH-53 norte-americanos começaram a sobrevoar Mosul, como parte de uma intensificação da segurança na região.

Tropas norte-americanas e curdas capturaram Mosul na quinta-feira passada. A cidade, a exemplo do que ocorreu em Bagdá e outras partes do país, sofreu uma onda de saques e outros atos de vandalismo.