Clássico de vida ou morte para o Palmeiras

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 22 de outubro de 2002 as 23:38, por: cdb

“É quarta-feira!, É quarta-feira!”. Os gritos da Fiel, após a vitória sobre a Ponte Preta, no domingo, mostram que o clássico Corinthians x Palmeiras, que será disputado no Morumbi, às 20h30, é cercado de muita expectativa, ansiedade e nervosismo.

Afinal, a partida pode significar, para qualquer um dos lados, ascensão ou derrocada no Campeonato Brasileiro, muito próximo da sua fase decisiva.

Frente a frente, além da histórica e polêmica rivalidade, estarão a melhor e a segunda pior equipe da competição em aproveitamento. O alvinegro conquistou 63% dos pontos que disputou, contra 33% do alviverde, à frente apenas do Paraná (31%).

Com 34 pontos em 18 jogos, Carlos Alberto Parreira acredita que a equipe chegará às finais com mais duas vitórias. Em compensação Levir Culpi, que não deixou a zona de rebaixamento desde que assumiu o time, soma 19 pontos (mesmo número de partidas) e, segundo as estatísticas, tem 80% de chances de disputar a Série B em 2003.

Embora o jogo esteja marcado para esta quarta-feira (23), o clássico tem sido promovido há uma semana. Torcedores do Corinthians pedem aos jogadores que afundem definitivamente o arqui-rival. Ex-atletas do Verdão, como Oberdan Cattani e Dudu apostam que o Palmeiras se reabilitará em caso de vitória.

No Parque São Jorge, todos tomaram muito cuidado para não “irritar” o adversário. “Respeitamos o atual momento deles. Na Copa João Havelange (2000) passamos pelo mesmo drama”, lembrou Gil.

“Esta será a partida mais difícil do Corinthians na primeira fase”, previu Parreira, que justificou. “Caso o Palmeiras perca, a situação ficará ainda mais complicada. Será um confronto muito intenso”, completou.

O treinador foi além. “Avisei os meus jogadores – não se assustem com o ímpeto dos jogadores adversários. Teremos que igualar a garra e a determinação do Palmeiras; a parte técnica e tática contará menos que a determinação de ambos os lados”, acrescentou.

De Águas de Lindóia (interior de São Paulo), local escolhido pelo alviverde para uma mini intertemporada, Levir respondeu. “Eles (Corinthians) têm uma enorme vantagem e estão em uma posição muito confortável na tabela. Mas, em um clássico, isso é facilmente superado”, disse.

“O peso da derrota será bem pior para o Palmeiras”, ponderou Arce, um dos mais preocupados com a situação do time.

Desfalques
Tanto Corinthians quanto Palmeiras ficarão sem dois de seus principais jogadores: Guilherme, suspenso e Zinho, com dores na coxa esquerda. O meia diz que está melhor mas considerou arriscado disputar “uma partida tão forte”.

“É ruim para o Palmeiras, já que se trata de um atleta experiente, com passagens pela Seleção”, disse Fábio Luciano. “O Guilherme é um finalizador nato, que começava a se entrosar”, disse Levir.

Além de Zinho, César e Flávio, suspensos, não jogam. Para compensar tantos problemas, Culpi provavelmente escalará três atacantes: Muñoz, Itamar e Nenê.

No Corinthians, Parreira optará por Leandro ou Marcinho. Gil, que cumpriu suspensão contra a Ponte, tem retorno assegurado.

CORINTHIANS x PALMEIRAS

Data: 23/10/2002 (quarta-feira)
Horário: 20h30
Local: Morumbi, em São Paulo
Juiz: Paulo César de Oliveira (SP)
Transmissão: PPV
Ingressos: estão sendo vendidos nas bilheterias do estádio, Parque São Jorge e Parque Antarctica.

Arquibancada superior: R$ 10 (meia R$ 5)
Arquibancada especial: R$ 20 (meia R$ 10)
Cadeira inferior: (R$ 15)

Corinthians
Doni; Rogério, Fábio Luciano, Ânderson e Kléber; Vampeta, Fabinho e Renato; Deivid, Leandro (Marcinho) e Gil.
Técnico: Carlos Alberto Parreira

Palmeiras
Marcos; Arce, Alexandre, Marco Aurélio e Rubens Cardoso; Paulo Assunção, Fabiano Eller (Leonardo Moura), Juninho e Nenê; Itamar e Muñoz
Técnico: Levir Culpi