Cidade irlandesa tem um brasileiro para cada três habitantes

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 21 de maio de 2007 as 19:50, por: cdb

A comunidade de brasileiros forma, hoje, um terço da população de 3,5 mil habitantes da cidade de Gort, no condado de Galway, no oeste da Irlanda. Atraídos pela prosperidade econômica alcançada pela Irlanda nos últimos anos, os brasileiros são parte dos grupos de imigrantes de diferentes países que hoje representam 10% da força de trabalho na Irlanda.

Antes, a pequena cidade era conhecida como posto de parada entre cidades maiores. Hoje, chama a atenção por ser um reduto de brasileiros.

Nilton Souza de Vieira, presidente da Associação Brasileira de Gort, mudou-se para a Irlanda em 2002, seguindo o exemplo de dois amigos.

Ele trabalhou em um restaurante antes de abrir dois negócios no centro da cidade: um internet café e um lava-carros. Seu internet café é cheio de brasileiros que navegam na rede e utilizam linhas telefônicas a preços especiais para se manter em contato com a família.

Os brasileiros trabalham nas fábricas, canteiros de obras, restaurantes e hotéis da região. E o dinheiro que ganham acaba beneficiando a economia de Anápolis (GO), cidade natal de boa parte dos brasileiros de Gort.

– Eles são um sopro de brisa fresca -, diz Frank Murray, coordenador de um projeto comunitário que envolve os brasileiros.

No entanto, a presença de tantos brasileiros em Gort também desperta a preocupação de que eles estejam sendo explorados. De acordo com Murray, apenas 10% dos imigrantes brasileiros falam inglês com fluência.

– Todos os problemas giram em torno da língua -, afirma.

– Nunca tive problemas, mas isso é porque falo inglês -, diz Lidiane Castor, de Anápolis, que vive em Gort há quatro anos e é dona de um salão de cabeleireiro.

– É muito importante para nós nos misturarmos à comunidade local. O problema é que muitos dos brasileiros aqui estão ilegais. Eu acho difícil conseguir permissões de trabalho para meus funcionários -, completou Lidiane.

Apesar dos problemas que a língua e a documentação causam à integração, a população local parece ter reagido positivamente à transformação ocorrida na cidade.

– Bem, é um pequeno Brasil agora, não é? -, diz Martin Donohue, morador de Gort.

– Inicialmente foi um choque cultural, mas eles se integraram bem e preencheram várias vagas de empregos que precisavam ser preenchidas -, disse.