Chuvas em Minas Gerais fazem 29 mortos e mais de 70 feridos em deslizamentos de terra

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 17 de janeiro de 2003 as 00:25, por: cdb

As fortes chuvas que atingiram Minas Gerais desde a noite da última quarta-feira provocaram mortes e destruição no Estado. De acordo com a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), até o início da noite desta quinta-feira 29 pessoas morreram e mais de 70 ficaram feridas em decorrência de deslizamentos de terra e de desabamentos. A região metropolitana da capital mineira foi a que registrou o maior de vítimas fatais. Dezesseis corpos foram resgatados até o início da noite desta quinta-feira.

A região metropolitana da capital mineira foi a que registrou o maior de vítimas fatais. Dezesseis corpos haviam sido resgatados até o início da noite desta quinta-feira. No aglomerado Morro das Pedras, na zona oeste da capital mineira, um deslizamento durante a madrugada soterrou nove crianças e jovens, entre três e 19 anos, todos de uma mesma família. Eles dormiam em apenas um cômodo do barraco.

Os pais de seis crianças, Antônio José Laurêncio e Valda Caldeira Santos, também foram atingidos pelo soterramento, mas conseguiram escapar. Uma garota de 13 anos, identificada como Jéssica, chegou a ser resgatada com vida, mas morreu logo em seguida. Outros quatro corpos foram resgatados e três continuavam desaparecidos.

Os trabalhos do Corpo de Bombeiros foram iniciados ainda de madrugada, mas um segundo deslizamento de terra prejudicou o resgate. Após quase 15 horas de buscas, os bombeiros conseguiram salvar o menino Felipe Laurêncio dos Santos, de 10 anos, no momento mais emocionante da tragédia.

Em Contagem, na Grande BH, também durante a madrugada, um morro desabou sobre três barracos, soterrando doze pessoas. Duas delas foram resgatadas com vida. Entre os seis primeiros corpos resgatados, estava o de uma criança de três anos. Quatro pessoas da mesma família continuavam soterradas. No momento da tragédia, os moradores ainda estavam dormindo.

No bairro do Taquaril, na região leste da capital, um homem morreu enquanto dormia em um barracão que desabou. Outras quatro pessoas – duas crianças e os pais – ficaram sobre a terra na favela do Cafezal, zona Sul. Os corpos foram retirados com a ajuda dos próprios moradores.

A chuva provocou estragos e morte também no interior do Estado. Cerca de 20 municípios sofreram danos com a chuva desta quinta. As cidades de Caratinga e Sobrália decretaram estado de calamidade pública, de acordo com o Cedec. Nove municípios estão em estado de emergência: Visconde do Rio Branco, Ribeirão das Neves, Engenheiro Caldas, Vespasiano, Durandé, Mariana, Pequi, Ibirité, Caeté e outras doze cidades avaliavam a possibilidade de decretar estado de calamidade.

Desde o início do mês, a Defesa Civil do Estado contabiliza 759 desabrigados em Minas, mais de cinco mil desalojados e 2.200 casas destruídas. A cidade de Caratinga, na Zona da Mata, a 387 quilômetros de Belo Horizonte foi a mais castigada. Dois prédios de três andares desabaram e caíram em um rio, provocando a morte de três pessoas.

O centro comercial da cidade ficou alagado. A BR-116, na altura do município, foi inundada e a pista interditada nos dois sentidos. Uma pessoa morreu em Santa Bárbara do Leste, próximo a Caratinga. Segundo o Cedec, a cidade ficou “ilhada”, uma ponte e seis residências foram destruídas.

Mais de três mil homens do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil Estadual e Municipal estão mobilizados para atender os diversos chamados. Foram registradas, até o início da tarde desta quinta-feira 240 ocorrências.

O presidente da Companhia de Saneamento do Estado (Copasa), Rômullo Perilli, disse que o sistema de água que abastece 600 mil pessoas na região sul da capital ficou comprometido. Em Sabará, os rios das Velhas, Arrudas e Sabará transbordaram. A água subiu quase oito metros acima do normal, seis bairros foram atingidos pela enchente e 25 famílias ficaram desalojadas. Parte da cidade ficou sem água.