Chuvas deixam 190 desabrigados no Norte Fluminense

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 28 de dezembro de 2001 as 20:44, por: cdb

Cerca de 190 pessoas estão desabrigadas em Campos e Conceição da Macabu, no norte fluminense, por causa da forte chuva que atingiu a região na madrugada de hoje. Em Campos, a 278 quilômetros do Rio, os problemas se concentraram nos distritos rurais de Morangaba e Rio Preto, onde 150 pessoas tiveram que abandonar suas casas e estão abrigadas em uma escola municipal. No total, 30 imóveis foram destruídos pela enxurrada, mas ninguém ficou ferido.

No município vizinho de Conceição de Macabu, a chuva, que começou a cair no fim da tarde de ontem e durou quatro horas, provocou alagamento de várias ruas da cidade e deslizamentos de terra. Quarenta casas foram atingidas, das quais 16 foram interditadas pela Defesa Civil do município. Segundo o coordenador local do Corpo de Bombeiros, sargento Sílvio de Souza, oito pessoas ficaram levemente feridas, 34 estão desabrigadas e 185 desalojadas. “Pedimos reforço à Defesa Civil de Quissamã e Campos”, afirmou Souza.

O prefeito de Campos, Arnaldo Vianna (PSB), decidiu remover às pressas cerca de 120 famílias da favela Aldeia, no centro da cidade. O nível do Rio Paraíba do Sul, que corta a cidade, chegou a 7,80 metros, quase três metros acima do normal, e a água já ameaça invadir várias casas da favela, que fica às margens do rio.

As famílias foram transferidas para um conjunto de casas populares, construído recentemente pelo Estado e pela Prefeitura, e que ainda não estava eletrificado. “Tivemos que acionar a Cerj (Companhia de Eletricidade do Rio de Janeiro) para instalar a luz”, contou o subsecretário de Defesa Civil de Campos, Henrique Oliveira.

Segundo ele, até o dia 2 de janeiro, todas as 400 famílias que moram na Aldeia estarão no conjunto. “Removemos primeiro as 120 famílias que estavam mais próximas do rio e que tiveram as suas casas alagadas. Os outros moradores da favela serão transferidos depois do Ano Novo”, contou. O Paraíba do Sul nasce em São Paulo e corta todo o Estado do Rio até Campos.

Oliveira explicou que toda vez que uma chuva forte cai em São Paulo ou no Rio o nível do rio aumenta e acaba atingindo Campos. Desde ontem, está chovendo na cidade, o que tem contribuído para aumentar o nível do Paraíba do Sul. “Sempre sofremos com esse problema”, disse Oliveira.

O temporal da madrugada também trouxe transtornos para as cidades Barra Mansa, Resende e Volta Redonda, na região Sul Fluminense. Dezenas de casas foram invadidas por enxurradas em Barra Mansa e Resende. Em Volta Redonda, o desmoronamento de um barranco no bairro Roma 1 provocou a interdição parcial de três casas pela Defesa Civil.

No bairro Nova Primavera, em Barra Mansa, o Rio Barra Mansa transbordou e alagou uma rua, onde, em alguns pontoas, o nível da água chegou a 1,5 metro. Em Resende, a Defesa Civil está avaliando os danos causados a uma casa no Bairro Surubi, que foi atingida pelo desmoronamento de um barranco. Há possibilidade de interdição do imóvel.

Também já chove há dois dias no Espírito Santo, mas segundo a Defesa Civil do Estado foi registrado nenhum problema grave. “Apenas em Cachoeiro (sul capixaba) algumas casas foram alagadas, mas a água já desceu”, disse o subdiretor da Defesa Civil do Espírito Santo, capitão Nilton Cézar Cardoso.

Ele disse que todas as medidas de prevenção foram tomadas. “Já avisamos aos 78 municípios para que limpem as suas galerias de águas pluviais, façam a drenagem dos rios e retirem as pessoas que moram em áreas de risco”, contou.