Chuva causa apagão em vários bairros do Rio e deslizamento na Serra das Araras

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 15 de março de 2010 as 10:18, por: cdb

Rio de Janeiro e de Niterói ainda estão sob o impacto dos efeitos da forte chuva que caiu na noite deste domingo. Pelos menos nove bairros continuam sem luz. Em Niterói,  a situação não é diferente, com vários bairros da Região Oceânica, como Piratininga e Camboinhas, estão sem luz desde às 18h de domingo. O tráfego também está prejudicado nesta manhã na Via Dutra, por causa de dois deslizamentos de terra na altura da cidade de Piraí, na descida das Serra das Araras, na pista sentido Rio, onde os motoristas enfrentam engarrafamento de 13 quilômetros. Ninguém ficou ferido, o trânsito continua lento e não há previsão de liberação total da pista.

Em Copacabana, uma grande árvore caiu e arrancou um pedaço da calçada. No Leme, outra árvore caiu, mas em cima de um poste, que também acabou sendo derrubado e uma bicicleta que estava amarrada no poste ficou toda retorcida.

Um poste caiu na Rua Cândido Mendes, em Santa Teresa, sendo que os cabos de aço ainda estão no meio da rua e o transformador está apoiado no muro de uma casa. Os moradores da região reclamam que estão sem luz desde a noite de domingo.

Durante a madrugada, a energia também caiu em Madureira, Vila da Penha, Ramos, Bonsucesso e Ilha do Governador. A Light, concessionária responsável pelo serviço, informou que equipes técnicas estão trabalhando para normalizar a situação nesses bairros, mas ainda não há previsão da energia ser totalmente restabelecida.

Na noite de domingo, uma tempestade elétrica com ventos de até 89km/h desabou sobre o Rio e causou estragos, deixando ruas alagadas e vias interditadas. Os ventos fortes acabaram fechando da ponte Rio-Niterói por cerca de 40 minutos, entre o final da tarde e o início da noite deste domingo, causando muita lentidão na volta para a casa, para quem vinha do final de semana na Região dos Lagos e outras cidades do Norte Fluminense.

No Centro e em bairros da Zona Sul, como Flamengo e Laranjeiras, o temporal chegou acompanhado de muitos raios e trovões. No estádio João Havelange, o Engenhão, no Engenho de Dentro, Zona Norte do Rio, os refletores do estádio apagaram, quando todo o bairro ficou sem luz. O jogo Botafogo e Olaria teve que ser interrompido, por 18 minutos, no segundo tempo. Chegou a chover granizo no bairro.

A Defesa Civil do Município do Rio de Janeiro recebeu mais de 18 chamados, a maior parte deles devido a desabamentos parciais de telhados e deslizamentos de barreiras. O Sistema de Gestão de Risco de Crises (Sigeric) continua mobilizado. Em caso de emergência, a população deve ligar para a Defesa Civil no telefone 199.

De acordo com os meteorologistas do Climatempo, o temporal foi causado por uma linha de instabilidade pré-frontal que foi intensificada por causa do calor. Para os especialistas, o problema é que havia uma frente fria avançando pela região e associada à ela, formaram-se linhas de instabilidade que se intensificaram devido ao calor, à umidade na região e aos ventos em altos níveis. Por isso, a região acabou sofrendo essa pancada de chuva forte e violenta.

Ainda segundo o Climatempo, os ventos mais fortes foram registrados no Tom Jobim – 89km/h – e no Santos Dumont – 76km/h. Para o serviço de meteorologia, ao que tudo indica, vêm mais pancadas de chuva pela frente, já que a frente fria ainda não passou e a instabilidade persiste. Sendo que ainda podem ocorrer pancadas de chuva, nesta segunda-feira, com possibilidade de chover forte, de uma maneira mais contínua, com volumes razoáveis, nesta terça e quarta-feira.