Chirac: o ídolo da Argélia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 3 de março de 2003 as 17:02, por: cdb

O presidente da França, Jacques Chirac, em visita à Argélia, declarou nesta segunda-feira que a guerra é “sempre a pior solução”, mas acrescentou que a comunidade internacional deveria manter a pressão sobre o Iraque para que o país coopere plenamente com os inspetores das Nações Unidas e elimine possíveis arsenais de armas de destruição em massa.

“Nós sabemos o preço do sangue, nós estimamos as conseqüências desastrosas, a destruição de uma nova guerra numa região já ferida e tão frágil”, afirmou Chirac a membros do parlamento argelino, no segundo de seus três dias de visita oficial.

Chirac disse ainda que quer dar à resolução 1.441 do Conselho de Segurança da ONU “uma oportunidade de sucesso” e exortou o Iraque a cooperar mais ativamente com os inspetores. “Nós devemos manter uma forte pressão sobre o Iraque para chegarmos juntos e pacificamente ao objetivo que estabelecemos – a eliminação de suas armas de destruição de massa”, ressaltou. “Essa é a nossa responsabilidade comum em relação à história”.

O presidente francês acrescentou que o Oriente Médio não precisa hoje de um novo conflito que, segundo ele, teria numerosas conseqüências. Chirac fez os comentários depois de assinar a chamada “Declaração de Argel”, um pacto de cooperação entre a França e a Argélia.

A viagem de Chirac é a primeira visita de Estado de um presidente francês à Argélia desde a independência do país norte da África, em 1962, depois de uma sangrenta guerra franco-argelina.