Chineses vão investir no mercado de energia do Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 7 de setembro de 2004 as 11:01, por: cdb

A refinaria estatal chinesa Sinopec e a empresa de investimentos CITIC deverão ser as primeiras firmas chinesas a entrar no mercado de energia do Brasil, depois da assinatura dos acordos de cooperação para a exploração entre os dois países. O Sinopec Group, com sede em Hong Kong e Nova York, está em negociações para construir um gasoduto no Brasil, disse a ministra das Minas e Energia, Dilma Rousseff. Segundo ela, o CITIC Group está pensando em participar de quatro projetos de energia no Brasil.

O projeto representaria um importante investimento exterior da China, segundo maior consumidor de energia do mundo, que luta para manter suas próprias necessidades de desenvolvimento. Os acordos amplificam os documentos já assinados por firmas como a Companhia Vale do Rio Doce e a chinesa Baosteel .

– Cooperar com a China tem sua importância estratégica. Se for completado, o projeto marcará a primeira entrada de uma empresa de petróleo chinesa no Brasil – disse a ministra.

A Sinopec e outros parceiros chineses assinaram um memorando de entendimento com a Petrobras e com um banco de fomento para construir o gasoduto de 1,3 bilhão de dólares. O acordo pede a cotação de uma linha de 1.200 quilômetros com capacidade para transmitir 13 milhões de metros cúbicos de gás por dia, do sudeste para o nordeste do Brasil, disse Rousseff.

Os parceiros chineses provavelmente investirão 90 por cento dos custos do projeto, que deverá abastecer 1.200 megawatts de geração de energia, segundo ela.

Caso as negociações avancem, será assinado um acordo de financiamento no final deste ano e os detalhes da construção, definidos até meados de 2005, disse a ministra. A construção do gasoduto seria terminada até janeiro de 2007. A Sinopec e a Petrobras, que em maio assinaram um acordo estratégico para aumentar a cooperação desde a exploração até a refinaria, também estão debatendo parcerias em outros projetos, incluindo exploração de petróleo no Equador, afirmou Dilma Rousseff.

As exportações de petróleo do Brasil para a China estão crescendo para 14 milhões de barris em 2004, dos cinco milhões de barris de 2003. As exportações totais chegam a 60 milhões de barris de petróleo por ano, segundo a Petrobras. Também na segunda-feira, a Eletrobrás assinou um entendimento com o CITIC Group para tentarem participar de projetos de energia no valor de US$ 2,8 bilhões no Brasil.

Os 17 projetos de energia hidrelétrica teriam uma capacidade total instalada de 2.800 megawatts, disse a ministra.