China usa isenção tributária, a exemplo do Brasil, para aumentar produção

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 13 de abril de 2010 as 11:55, por: cdb

A China reafirmou na terça-feira seu compromisso em dar tratamento preferencial e isenções tributárias a investidores estrangeiros, desde que seus projetos não sejam em setores poluentes ou sobrecarregados. Conforme as diretrizes emitidas pelo Conselho de Estado (gabinete), empreendimentos com verbas estrangeiras têm o direito de se beneficiar de políticas especiais destinadas a revitalizarem certos setores, como o siderúrgico, o automobilístico e o têxtil. Os projetos aprovados podem receber 30 por cento de desconto na aquisição de terrenos, segundo nota divulgada no portal do governo.

“Empreendimentos com investimento privado são uma parte importante da economia nacional”, disse o Conselho de Estado, em nota, acrescentando que os investidores estrangeiros seriam particularmente bem-vindos no centro e oeste da China, regiões menos desenvolvidas. O comunicado estimula também fusões e aquisições de companhias do exterior na China. O estímulo aos investidores ocorre paralelamente ao abandono parcial de uma política do governo para privilegiar a compra de produtos com tecnologia local, o que irritava os Estados Unidos e a União Europeia.

Yuan

O presidente chinês, Hu Jintao, disse nesta terça-feira ao seu colega norte-americano, Barack Obama, que Pequim “seguirá firme” em seu próprio caminho para reformar a taxa de câmbio do iuan, focando nas necessidades de desenvolvimento econômico e social da China. Hu disse que a apreciação do iuan não traria estabilidade à relação EUA-China e nem resolveria o problema de desemprego dos EUA, informou a agência chinesa de notícias Xinhua, pela manhã (horário local) sobre uma reunião bilateral que ocorreu na segunda-feira em Washington.

Hu disse também que a China não busca um superávit comercial com os EUA e que gostaria de aumentar suas importações provenientes do país, informou a agência. Para tanto, Hu pediu aos EUA que relaxem seus controles de exportação sobre produtos de alta tecnologia.