Chile sofre para manter a ordem em Concepción após terremoto

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 2 de março de 2010 as 10:36, por: cdb

As autoridades chilenas prorrogaram na terça-feira a vigência do toque de recolher em Concepción, a segunda maior cidade do país, enquanto militares redobram seus esforços contra a onda de saques e crimes ocorrida depois do devastador terremoto de sábado.

O toque de recolher valerá até as 12h de terça-feira, depois que saqueadores queimaram lojas e moradores se queixaram de uma piora na segurança pública e da demora por parte do governo na entrega de mantimentos.

Apesar da chegada de milhares de soldados para ajudar a polícia local, as autoridades lutam para restaurar a ordem em Concepción, muito afetada pelo tremor de magnitude 8,8, que matou pelo menos 723 pessoas.

Os moradores da cidade estão se organizando em grupos para proteger suas propriedades, e a prefeita afirmou que os saqueadores estão ficando mais organizados.

– A ajuda do governo tem sido lentíssima, muito lenta – disse a professora Carolina Contreras, de 36 anos, que vive próxima a Concepción.

– Não temos água nem luz, não há nada. Os militares chegaram só ontem, e isso não basta para controlar a situação. Os moradores de onde eu moro se organizaram para nos defender, porque estão saqueando as casas – disse.

A presidente Michelle Bachelet condenou “a pilhagem e a delinquência” e enviou 7.000 soldados à região, além de decretar toque de recolher.

O terremoto, um dos mais intensos da história, ocorre num momento em que o Chile, uma das economias mais estáveis da América Latina, tenta se recuperar da recessão provocada pela crise financeira global.

A empresa Air Worldwide estimou que os prejuízos podem superar os US$ 15 bilhões. A Bolsa e o mercado cambial locais resistiram bem.

O governo admitiu dificuldades no pronto envio da ajuda, devido a problemas de infraestrutura. Houve críticas à atuação das autoridades particularmente na cidade de Talca, onde o principal hospital desabou parcialmente.

– Não recebemos nenhuma ajuda do governo. Esperávamos mais e ainda esperamos três coisas básicas: comida, água e eletricidade – disse Damian Vera Vergara, de 68 anos.

Em Concepción, equipes de resgate notaram na segunda-feira sinais de vida nos escombros de um edifício, onde pode haver cerca de 60 mortos. Os bombeiros perfuraram paredes depois de ouvir sons que poderiam vir de sobreviventes.

O sismo provocou fortes ondas em localidades litorâneas do Chile. Só a cidade de Constituición teve 350 mortos confirmados.

As minas do Chile, maior produtor mundial de cobre, retomaram suas operações, e o Banco Central disse que manterá as taxas de juros, já em níveis baixíssimos, para estimular a economia.

Sob Controle

A presidente chilena, Michelle Bachelet, disse nesta terça-feira que a situação está “sob controle” na cidade de Concepción, afetada pelo terremoto, para onde milhares de militares foram enviados para conter saques e a criminalidade.

Autoridades ampliaram o toque de recolher na cidade para restaurar a ordem após o terremoto de sábado, de magnitude 8,8, que matou ao menos 723 pessoas no país.