Chile espera compreensão dos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 28 de abril de 2003 as 13:58, por: cdb

A ministra das Relações Exteriores do Chile, Soledad Alvear, disse ter confiança na possibilidade de obter um “maior grau de compreensão” da parte dos Estados Unidos em relação à decisão do país latino-americano de se opor à guerra no Iraque.

A postura do governo chileno ameaça atrasar a aprovação de um tratado de livre comércio bilateral a ser firmado entre os dois países.

Na tarde desta segunda-feira, Alvear reúne-se com o secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, em um esforço para remendar as relações entre os dois países.

Na semana passada, Powell afirmou que seu governo estava “desiludido”
com a postura adotada pelo Chile e reconheceu que isso alimentou tensões. O secretário garantiu então que o incidente estava superado.

A Casa Branca, porém, não quis fixar uma data para a assinatura do tratado com o Chile, apesar de já haver marcado o dia em que acontecerá a assinatura de um acordo semelhante acertado com Cingapura.

Em uma entrevista concedida à Reuters no domingo, Alvear disse que o Chile tentou fazer uma “proposta construtiva” para que se chegasse a um consenso no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) a respeito do Iraque.

Os EUA entraram em choque com a França, a Alemanha e a Rússia ao defender a aprovação de uma resolução, pelo Conselho de Segurança, que autorizasse o uso da força contra o país árabe. O Chile e o México estavam entre os países indecisos que, ao final, acabaram por se opor à deflagração de uma guerra.

“Tivemos uma divergência com os EUA. Creio que, passado esse momento de decepção, porque os norte-americanos teriam ficado satisfeitos com uma postura diferente da nossa parte, podemos chegar a um grau maior de compreensão”, declarou Alvear.

O Chile gostaria que a Casa Branca apresentasse o projeto do tratado ao Congresso norte-americano antes do recesso dele, em agosto. Como 2004 é ano eleitoral nos EUA, a ratificação do acordo seria mais difícil.