Chávez critica secretário-geral da OEA por referendo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 2 de dezembro de 2003 as 08:44, por: cdb

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, criticou na segunda-feira o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), César Gaviria, por rebater suas acusações de que opositores cometeram fraude em uma campanha de coleta de assinaturas para realizar um referendo sobre o governo.

Em um comício noturno com a presença de milhares de simpatizantes, o presidente repetiu a acusação que fez durante o fim de semana de que seus adversários fraudaram a campanha de quatro dias, que terminou na segunda.

Chávez também reclamou que o secretário-geral não se reuniu com ele e passou “tempo demais” com representantes da oposição.

Gaviria, que liderou uma missão de observadores internacionais acompanhando o processo do referendo na Venezuela, afirmou que não viu nenhuma evidência de fraude.

Os comentários do presidente provocaram temores de que ele se recuse a aceitar um referendo. Também levantaram a possibilidade de uma disputa pública com Gaviria, ex-presidente colombiano e um dos principais diplomatas das Américas.

Líderes da oposição dizem que a campanha pró-referendo é ”um triunfo da democracia”. Eles acreditam que conseguiram um número suficiente de assinaturas para convocar um referendo contra Chávez.

O Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela terá a delicada função de verificar as assinaturas coletadas para ver se alcançaram as 2,4 milhões exigidas pela lei. Em caso positivo, o referendo pode ser realizado em março ou abril.

O líder oposicionista Alfredo Ramos estima que foram coletadas 3,7 milhões de assinaturas.
Mas autoridades do governo insistem que o número não chegou a 2 milhões.

Mau perdedor

Representantes da oposição classificaram as acusações de fraude feitas por Chávez como um ato de desespero. Eles dizem que dezenas de milhares de eleitores que assinaram a petição enviaram uma forte mensagem de rejeição ao presidente.

“Vejo a reação de Chávez como o rompante de um mau perdedor”, declarou Julio Borges, do grupo de oposição Coordenador Democrático.

Gaviria e Jennifer McCoy, do Carter Center, elogiaram o processo de referendo e disseram que ele fortalece a democracia da Venezuela.

“Até agora, não recebemos nenhuma prova de fraude”, disse McCoy, acrescentando que as alegações terão que ser examinadas pelo Conselho Nacional Eleitoral.