Chamando para a briga

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 5 de maio de 2003 as 08:35, por: cdb

Quem é rei nunca perde a majestade. Ou pelo menos tenta recuperá-la. Foi essa a impressão que ficou após a bandeirada final do Grande Prêmio da Espanha, com mais uma vitória de Michael Schumacher – a 66ª de sua carreira.

Depois de três etapas amargando um jejum de bons resultados (Austrália, Malásia e Brasil) e uma vitória conquistada sob forte impacto emocional (San Marino), por causa da morte de sua mãe, o alemão finalmente mostrou a que veio. E, pelo que vimos neste domingo no circuito de Barcelona, está disposto a brigar para valer. E sem pedir licença.

Kimi Räikkönen que se cuide, agora que a larga vantagem que mantinha em relação a Schumacher reduziu-se a míseros quatro pontos na classificação geral. E uma diferença como esta, convenhamos, jamais foi um problema ao alemão, que agora soma 28 pontos, contra 32 do finlandês.

Estando em forma e com um carro novinho em folha nas mãos, Schumacher pode obter antecipadamente a receita do hexa, para o desespero de seus adversários e de torcedores de todo o mundo, que há anos sonham com um campeonato imprevisível e que não seja pintado de vermelho.

No entanto, a julgar pela brilhante atuação do espanhol Fernando Alonso, pode ser que tenhamos algumas surpresas daqui em diante. Uma coisa é certa: alguém ligou esse rapaz na tomada e esqueceu de avisá-lo. Vale a pena ficar de olho nele. E vibrar muito, é claro.

Alexandre Carvalho é jornalista.
E-mail: formula1@ism.com.br